Fronteira

Entrar em Espanha sem teste nem vacina pode valer multa de 3 mil euros

Entrar em Espanha sem teste nem vacina pode valer multa de 3 mil euros

A partir desta segunda-feira, quem entrar em Espanha por alguma fronteira terrestre sem um teste negativo, sem vacina ou sem provas de que já recuperou da covid-19 arrisca pagar uma coima de até três mil euros. Uma legislação aprovada no fim de semana e já em vigor obriga os turistas a terem um documento comprovativo traduzido em espanhol francês, inglês ou alemão.

Os turistas portugueses que entrarem no país vizinho de carro ou de comboio, têm que cumprir as mesmas condições exigidas a quem viaja por avião ou navio: possuir um documento que comprove que a pessoa foi vacinada, que tem um teste negativo ou que já sofreu de covid-19 e, entretanto, recuperou. O documento pode ser exigido pelas autoridades espanholas a qualquer momento. Quem não o tiver, arrisca pagar uma coima que, se a violação for considerada leve, poderá chegar aos três mil euros. Todavia, mediante a gravidade das infrações, os valores poderão disparar: se a violação foi considerada grave, a multa será de três mil a 60 mil; ou será de entre 60 e 600 mil, se for considerada muito grave.

As novas regras não se aplicam aos motoristas internacionais, aos trabalhadores transfronteiriços nem a quem vive a 30 quilómetros da fronteira.

Os certificados, especifica a legislação publicada no Boletim Oficial do Estado de Espanha no sábado, têm que estar redigidos "em espanhol, inglês, francês ou alemão". Se a língua original for outra - no caso, português -, o turista terá que se acompanhar de uma "tradução em espanhol realizada por um organismo oficial". Que organismo será esse, não é especificado.

Esta segunda-feira, a ministra da Saúde, Marta Temido, admitiu que os testes para os certificados de vacinação terminem esta semana e os documentos possam começar a ser emitidos ainda na segunda quinzena de junho, apesar de só estarem oficialmente em vigor em toda a União Europeia a 1 de julho. O JN perguntou à Saúde e aos Serviços Partilhados a partir de que data qualquer cidadão poderá receber o seu documento, mas ainda aguarda resposta.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG