Fome

Estudantes criam modelo para angariar mais doadores para Banco Alimentar

Estudantes criam modelo para angariar mais doadores para Banco Alimentar

Um grupo de seis jovens estudantes na FEUP e Universidade do Minho criou um modelo, com recurso a bases de dados, que permite aumentar o número de doadores ao Banco Alimentar Contra a Fome.

Venceram, este sábado, a segunda edição da competição Eurekathon, que se destinava a encontrar uma solução para combater a fome no país, em parceria com o Banco Alimentar.

Catarina Rocha Leite, Bernardo Franco, Guilherme Pinheiro, João Azevedo, Luís Bulhosa e Pedro Machado formaram uma equipa - Hunger Bytes - entre amigos para concorrerem à Eurekathon. Recorreram a dados do Banco Alimentar e da operadora NOS, uma das promotoras da competição, para identificar o perfil de potenciais doadores e as freguesias do país onde há maior discrepância entre esses e o número de doações feitas ao Banco Alimentar. A partir desse perfil, desenvolveram um modelo prescritivo para chegarem às freguesias onde há margem para aumentar os doadores e a quantidade de alimentos doada.

Os jovens concluíram que se o Banco Alimentar direcionar as suas campanhas de marketing, recorrendo ao envio de SMS e e-mail, ou de campanhas exclusivas para determinadas freguesias, conseguirá aumentar em oito vezes a capacidade de chegar ao potencial doador. O grupo concorreu com mais de 200 participantes e conquistou um prémio de dois mil euros, sendo que 400 euros serão doados a uma ONG.

Isabel Jonet, presidente do Banco Alimentar, reconheceu a importância deste desafio. "Muitas vezes, achamos que as instituições de solidariedade social limitam-se a exercer caridade, levando afetos e produtos. Nunca nos lembrando que se trabalharmos dados podemos estar a contribuir para a resolução de um problema", afirmou Jonet, que elogiou o facto de "alunos recém-formados, em equipa, olharem para um problema que não tem a ver com o seu dia a dia".

Os Bancos Alimentares contribuem para a alimentação de mais de 4% da população portuguesa, números que cresceram muito devido à pandemia. "Se pudermos ajudar estas pessoas de maneira mais efetiva, todos ganham", ressalvou Jonet, que era também elemento do júri e que agradeceu as várias soluções que foram apresentadas no concurso, que passaram não só por estratégias para aumentar os doadores mas também para ajudar o Banco Alimentar a selecionar de forma mais rápida os beneficiários.

A Eurekathon é uma competição que recorre ao uso de dados para incentivar a solução de questões sociais e, assim, construir um mundo melhor. É promovida pela LTPlabs, pela Porto Business School e pela NOS. Esta segunda edição teve como objetivo mitigar o problema da fome. O objetivo é que as soluções encontradas sejam implementadas.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG