Parlamento

Ferro Rodrigues repreende André Ventura no plenário

Ferro Rodrigues repreende André Ventura no plenário

Ferro Rodrigues acusou, esta quinta-feira à tarde, André Ventura de ofender o Parlamento, incluindo o próprio deputado do Chega, por usar "com demasiada facilidade" a palavra "vergonha" nas intervenções durante os plenários.

O "puxão de orelhas" do presidente da Assembleia da República ao deputado do Chega aconteceu durante o debate sobre os projetos de lei e de resolução relativos à remoção de amianto dos edifícios públicos. André Ventura classificou de "vergonha" a atuação do Governo e do PS, que apresentou uma recomendação ao Executivo de criação de uma linha de financiamento para remoção do amianto dos edifícios. O deputado do Chega recordou o anúncio do Governo de 800 milhões de euros para reforçar a Saúde, para defender que só não há dinheiro para o amianto.

"É vergonhoso. Esta resolução do PS só tem uma palavra: vergonha", disse. No final da intervenção, Ferro repreendeu Ventura por usar com "demasiada facilidade a palavra vergonha" e com isso "ofender" não só o Parlamento como a si próprio também.

André Ventura não gostou da repreensão e pediu a palavra em "defesa da honra". Argumentou então considerar que um deputado tem liberdade de expressão para intervir. Ao que Ferro retorquiu: "não há liberdade de expressão quando se ultrapassa a liberdade de expressão dos outros, que é o que faz a maior das vezes em que intervém".

BE, PCP, PAN e PEV entregaram projetos de lei que defendem a atualização da listagem dos edifícios com amianto e a calendarização das intervenções. PS, CDS e PSD apresentaram projetos de resolução. Os socialistas para criação de uma linha de financiamento no âmbito do próximo quadro comunitário plurianual. O PSD recomenda que o Governo torne pública a listagem e cronograma das obras. O CDS pede um plano para a retirada de todo o material com amianto das escolas.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG