Moçambique

"Não morremos porque não calhou", desabafa portuguesa vítima do Idai

"Não morremos porque não calhou", desabafa portuguesa vítima do Idai

Maria Lopes, um dos sete repatriados que regressaram a Portugal, vindos de Moçambique, referiu que "ninguém estava à espera" das consequências do ciclone Idai.

"Não dá para contar. Árvores inteiras a cair em cima dos telhados. Mas árvores centenárias, que partem logo uma casa, se for preciso", relatou Maria Lopes, acrescentando que, na cidade da Beira, "ninguém estava à espera disto".

À saída do avião fretado pelo Governo português para trazer sete cidadãos nacionais emigrados em Moçambique, e que aterrou na base militar de Figo Maduro, em Lisboa, por volta das 1 hora da madrugada de segunda-feira, Maria Lopes ouviu umas breves palavras de conforto do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

"Vocês não imaginam o vento que foi", disse a portuguesa sobre o ciclone, depois de abandonar o Boeing 767-300ER da EuroAtlantic que saíra de Moçambique às 13 horas (11 horas em Portugal continental).

Natural de Lamego, mas com grande parte da vida vivida em Almada, Maria Lopes partilhou a sua experiência com a passagem do Idai por Moçambique, onde estava há cinco anos.

"Começou a chover. Depois, durante a noite, até à meia-noite, [foi] muito agressivo e parecia que aquilo ia abrandar. O vento virou ao contrário, era só levantar tudo, telhados, tudo", contou.

A passagem do Idai, que inundou uma área de cerca de 1300 quilómetros quadrados, só em Moçambique, e deixou a habitação de Maria Lopes sem água e luz.

"Não morremos porque não calhou", referiu aquela que é uma das 2,8 milhões de pessoas afetadas pelo ciclone que atingiu Moçambique, Maláui e Zimbabué e cujo mais recente balanço diz ter causado a morte de pelo menos 761 pessoas. Só em Moçambique havia, esta segunda-feira de manhã, 446 mortos confirmados.

"A solução foi vir embora para aqui, para o nosso país. Ficámos sem nada", disse Maria Lopes, que regressou com o marido, doente, e com o neto, de 15 anos.

"O marido está doente. Fomos lá (...) ao médico e fizeram um relatório que ele tinha de voltar à terra natal e, uma vez que o Governo abriu esta porta, nós aproveitamos", explicou a portuguesa.

Para trás ficaram um filho, uma nora e "uma netinha".

"Eles estão lá ainda porque ele casou com uma moçambicana e, então, se depois as coisas não estiverem a correr bem, depois irão para outro sítio, para casa da sogra, para o Nampula [província no norte de Moçambique que não foi afetada pelo ciclone Idai]", explicou.

Maria Lopes elogiou e agradeceu o trabalho do consulado português na região, que diz ter feito tudo o que podia.

Agora, sublinha, quer "recuperar do trauma", confiante de que "tudo vai passar". No hangar para onde foi levada numa carrinha que transportava as suas malas e as dos seus marido e neto, Maria Lopes tinha familiares à sua espera.

"Tínhamos muitas saudades, mas o que interessa é que eles estão bem", disse, emocionada, um familiar depois de abraçar os repatriados.

Além de terem sido recebidos pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, os sete portugueses repatriados - cinco homens, uma mulher e um jovem de 15 anos - foram acompanhados por várias equipas do Instituto Nacional de Emergência Médica de Portugal (INEM) e da Segurança Social.

O número de pessoas afetadas em Moçambique pelo ciclone Idai subiu para 531 mil e há 109 mil entradas em centros de acolhimento, das quais 6500 dizem respeito a pessoas vulneráveis - por exemplo, idosos e grávidas que recebem assistência particular.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou que está a preparar-se para enfrentar prováveis surtos de cólera e outras doenças infecciosas, bem como de sarampo, em extensas zonas do sudeste de África afetadas pelo ciclone Idai, em particular em Moçambique.

A cidade da Beira, no centro litoral de Moçambique, foi uma das mais afetadas pelo ciclone, na noite de 14 de março.