O Jogo ao Vivo

Exclusivo

Investigadores do Porto descobrem como travar cancro do pâncreas

Investigadores do Porto descobrem como travar cancro do pâncreas

Um grupo de investigadores do i3S - Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto descobriu o mecanismo que "alimenta" os tumores pancreáticos, dando um importante passo para o desenvolvimento de tratamentos específicos para este cancro, que apresenta uma taxa de mortalidade elevada. O estudo foi publicado esta terça-feira na revista "Gut", da Sociedade Britânica de Gastroenterologia.

Liderada pela investigadora Sónia Melo, a equipa do i3S conseguiu, a partir de amostras de tumores pancreáticos de pacientes do Hospital de S. João introduzidas em ratinhos, decifrar o modo como se processa a comunicação entre as células responsáveis pelo crescimento do tumor, acabando por abrir caminho para duas linhas de terapias, interrompendo aquela ligação celular.

Ao JN, a investigadora explica que o trabalho permitiu perceber que as células estaminais cancerígenas, que são cerca de 6% no caso do cancro do pâncreas, são as responsáveis pelo crescimento do tumor e pela resistência deste à quimioterapia, ao darem instruções às outras células para que se multipliquem. Além desta informação, o estudo concluiu ainda que, impedindo a comunicação das células estaminais com as restantes, o tumor pára de crescer.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG