O Jogo ao Vivo

Governo

Máscaras deixam de ser obrigatórias em transportes públicos

Máscaras deixam de ser obrigatórias em transportes públicos

As máscaras vão deixar ser necessárias em transportes públicos e farmácias, mas mantêm-se obrigatórias em estabelecimentos de saúde e lares de idosos, face à "especial vulnerabilidade em que se encontram os seus utilizadores".

A ministra da Saúde, Marta Temido, anunciou a medida, esta quinta-feira, no final da reunião do Conselho de Ministros, sublinhando que estão incluídos nos transportes públicos os carros TVDE, táxis e aviões.

"A análise da situação epidemiológica da covid-19 mostra uma tendência estável do número de casos e o controlo na utilização dos cuidados de saúde", justificou a ministra da Saúde.

PUB

Mantém-se, contudo, a obrigatoriedade do uso de máscara em estabelecimento de saúde e em lares.

Apesar da decisão, Marta Temido sublinha que mantém-se a necessidade de auto-avaliação, ou seja, que os cidadãos devem recorrer ao uso da máscara caso sintam que existe alguma situação de risco.

O decreto-lei, aprovado esta quinta-feira, terá que ser promulgado pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e só depois a medida poderá entrar em vigor.

A ministra da Saúde também anunciou para o início de setembro o arranque do processo de vacinação combinada (gripe+covid) da população mais vulnerável.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG