Exclusivo

Médicos internos têm "obrigação ética" de combater alterações climáticas

Médicos internos têm "obrigação ética" de combater alterações climáticas

A organização europeia que representa 50 mil médicos internistas assumiu que devem ter um papel no combate à degradação ambiental. Sensibilização dos pacientes, tratamento de doentes afetados pelas alterações climáticas e redução da pegada ecológica da saúde são algumas das soluções.

A Federação Europeia de Medicina Interna (EFIM) divulgou esta quarta-feira a sua posição face às alterações climáticas e quanto à responsabilidade que os médicos têm em relação à degradação ambiental, num documento publicado no European Journal of Internal Medicine, uma das mais prestigiadas revistas médicas da Europa.

Neste documento, a EFIM defende que os médicos internistas europeus, juntamente com as sociedades de medicina interna europeias, assumam um papel ativo em assuntos relacionados com as alterações climáticas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG