Obituário

O bom, o mau e o vilão político num só Avelino

O bom, o mau e o vilão político num só Avelino

O que verdadeiramente fez de Avelino Ferreira Torres uma figura pública há de ser sempre uma equação de mil incógnitas e de muito poucas certezas.

O homem falecido na terça-feira, aos 74 anos, leva com ele o que lhe deu mais notoriedade, a personagem sulfurosa que lhe forjou uma vida inteira. A mesma figura enxofrada que, mais do que reputação, cultivou e teatralizou um singular talento para lidar com tudo, dos negócios pessoais à atividade pública, da própria política ao futebol.

Entre os méritos próprios e uma certa erudição de saltimbanco, sobraram-lhe inúmeros problemas com a Justiça, numa carreira autárquica de mais de duas décadas, interrompida, precisamente, por determinação dos tribunais. Peculato e abuso de poder foram os pecados deste devoto de Santa Teresinha, que se proclamava "apenas crente da justiça divina e da de Fafe".

Foi julgado em muitos processos e também se gabava de nunca lhes fugir: "Sou de dar a cara e também de dar na cara, se for preciso". Pois foi esta figura que deixou admiração e desdém em doses iguais. E nenhuma indiferença. Avelino foi, com toda a certeza, uma das personalidades mais fraturantes do pós-25 de Abril, até dentro do próprio CDS, de Freitas do Amaral e de Amaro da Costa, que só por utilidade eleitoral suportavam o tipo desabrido do Marco, o que ia aos congressos denunciar "queques, rapazolas e copinhos de leite de Lisboa".

O funeral é esta quinta-feira. Após as exéquias, na igreja paroquial de Tuías (11 horas), o corpo será sepultado no cemitério da mesma freguesia do Marco de Canaveses.

Verão quente

Em meados dos anos 1970, Avelino foi suspeito, a par do irmão, Joaquim Ferreira Torres (assassinado em 1979), de envolvimento, nunca comprovado, na rede bombista de extrema-direita MDLP - Movimento Democrático de Libertação de Portugal.

Maioria absoluta

Avelino ganha pela primeira vez a Câmara do Marco, pelo CDS. Volta a vencer as intercalares de 1983, já com maioria, sucessivamente renovada até 2005. Em 2006, o Tribunal da Relação comutou a pena para dois anos e três meses, por abuso de poder. Os recursos foram sucessivos e a pena acabou por prescrever, em 2011.

Estádio homónimo

À data da inauguração do Estádio Municipal, a Câmara batiza o recinto com o nome do presidente. A oposição também contesta outras toponímias da cidade, como a Avenida F. C. Porto e a Avenida Jorge Nuno Pinto da Costa.

Bola e árbitros

Avelino, então dirigente do F. C. Marco, entra para o Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol e ingressa no mundo do futebol, a par de outros autarcas que também eram presidentes de Câmara, entre os quais se destacava Valentim Loureiro, presidente do Boavista e da Câmara de Gondomar.

Pontapés ao vivo

Avelino invade o campo do jogo Marco-Santa Clara e corre tudo a pontapé. Portugal vê tudo na TV. Por essa altura, o autarca foi constituído arguido no processo Apito Dourado, de que saiu absolvido.

Bronca do relógio

À perda de mandato de Avelino sucederam-se... mais 26! Na boa intenção de homenagearem Avelino, os presidente de Junta do Marco ofereceram um relógio de ouro ao ex-presidente da Câmara. Problema: o relógio foi comprado com dinheiro público e todos os 26 presidentes de Junta foram condenados por peculato.

Celebridade na TV

Avelino tinha já perdido o mandato quando tem nova aparição pública, agora no reality show televisivo "Quinta das celebridades", da TVI. Ao vivo ou a duas dimensões, a personalidade foi sempre a mesma.