Saúde

Obstetra de Rodrigo conhecido como "Dr. cinco minutos"

Obstetra de Rodrigo conhecido como "Dr. cinco minutos"

Aumentam relatos sobre médico que não viu malformações graves em bebé. O Conselho Disciplinar da Ordem dos Médicos é criticado por "atrasos inaceitáveis".

O caso do bebé de Setúbal que nasceu sem olhos, nariz e parte do crânio espoletou inúmeros relatos negativos sobre o obstetra Artur Carvalho, suspenso preventivamente pelo Conselho Disciplinar do Sul da Ordem dos Médicos (OM). O especialista, que tem pelo menos dez processos disciplinares na OM (quatro arquivados) e já foi investigado em dois processos-crime, está sob fogo nas redes sociais. A pergunta que muitos colocam é: como pôde exercer impunemente durante tantos anos?

Em poucos dias, surgiram dezenas de testemunhos de mães de Setúbal e de Almada que põem em causa a ética e competência do médico. Há vários casos de malformações não detetadas e de problemas na gravidez e no parto que alegadamente poderiam ter sido detetados e travados. Muitos relatos têm um elo em comum: a rapidez das ecografias, ao ponto do médico ser conhecido por "Dr. cinco minutos".

"Grande insatisfação"

O arquivamento e os atrasos na análise dos processos contra este médico por parte do Conselho Disciplinar do Sul da OM - o mais antigo em curso é de 2013 - provocaram "grande insatisfação", nas palavras do bastonário, e há neste momento receio de que a imagem do órgão e dos obstetras em geral saia prejudicada.

Por isso, o bastonário Miguel Guimarães repetiu que não tem competência sobre os conselhos disciplinares, e endureceu o discurso considerando não ser aceitável haver vários processos sobre o mesmo médico com vários anos e sem decisões. José Manuel Silva, presidente do Conselho Superior da Ordem dos Médicos, concorda.

A pressão sobre a atuação do Conselho Disciplinar do Sul aumenta e a destituição dos membros eleitos é um cenário possível. Segundo os Estatutos da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares só podem ser destituídos pelas assembleias regionais da ordem quando estiverem reunidos e votarem pelo menos 20% dos médicos inscritos na respetiva área, citou a Lusa.

O papel da Entidade Reguladora da Saúde também está a ser posto em causa (ler ao lado). Bem como as convenções do Ministério da Saúde, com o bastonário dos Médicos a alertar as Administrações Regionais de Saúde a não olharem apenas ao preço quando fazem acordos com privados.

A atuação da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde também é questionável. Aquele órgão informou que vai acompanhar o inquérito aberto pelo Hospital de Setúbal, mas não abrirá um processo autónomo.