Covid-19

Presidente da República isolado em casa devido ao coronavírus

Presidente da República isolado em casa devido ao coronavírus

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, suspendeu toda a atividade e vai ficar em casa durante 15 dias, numa espécie de quarentena voluntária.

A decisão foi tomada depois de a presidência ter tido conhecimento do internamento de um aluno de uma escola de Felgueiras. "Hoje à tarde, foi apurado que uma turma dessa escola havia estado em Belém, na última terça-feira, no âmbito da iniciativa "Artistas no Palácio de Belém", em sessão a que assistiu o Presidente da República, tendo, no final, tirado fotografias com os alunos e professores, sem, no entanto, os ter cumprimentado um a um", explica a presidência da República, numa nota publicada no site.

Apesar de sublinhar que nem o aluno internado nem a turma deste estiveram em Belém, a presidência explica que tendo ouvido as autoridades de saúde, "o Presidente da República, apesar de não apresentar qualquer sintoma virótico, decidiu cancelar toda a sua atividade pública, que compreendia várias presenças com número elevado de portugueses, assim como a própria ida a Belém", durante as próximas duas semanas.

"Será monitorizado durante esse período em casa", explica a presidência, salientando que as viagens previstas ao estrangeiro também foram canceladas.

"Entende o Presidente da República que deve dar exemplo reforçado de prevenção, sem embargo de continuar a trabalhar na sua residência particular", esclarece a nota da presidência, elogiando a "elevada maturidade cívica" demonstrada pelos portugueses perante o surto de Covid-19 em Portugal.

Sustentando que "foi suspensa" a iniciativa "Artistas no Palácio de Belém", programada para durar até ao final do ano letivo, a presidência da República informa que "estão já em curso conctatos com todos os que estiveram presentes na sessão de terça-feira" daquele evento.

Em Portugal, há 28 casos confirmados de coronavírus Covid-19, a esmagadora maioria no Norte do país. Um dos focos de contaminação começou num homem de Lousada, que visitou a MICAM, uma feira de calçado em Milão, na companhia de outros dois portugueses, e foi internado no hospital de São João, no Porto, a 5 de março.

PUB

Este domingo, 8 de março, foram anunciados quatro novos casos no hospital de São João, três mulheres e um homem, todos com ligação ao mesmo homem que visitou a MICAM. Foram depois confirmados mais três casos no hospital de Santo António, no Porto.

Na terça-feira, depois da iniciativa "Artistas em Belém", o Presidente da República participou na cerimónia de entrega do Prémio BIAL Biomedicina 2019, também em Lisboa.

No dia seguinte, Marcelo Rebelo de Sousa esteve no Camões - Instituto da Cooperação e da Língua I.P, em Lisboa, numa iniciativa designada "Camões dá que falar" e esteve reunido, no Palácio de Belém, com os presidentes das câmaras municipais de Lisboa e Porto.

Na quinta-feira, o chefe de Estado visitou o Hospital Curry Cabral, em Lisboa, e visitou os doentes infetados na altura com Covid-19 que ali estavam internados, tendo falado "por intercomunicador" com três doentes infetados. No mesmo dia, participou na sessão de encerramento da conferência "Portugal? e agora?", promovida pelo jornal Público no âmbito dos seus 30 anos, também na capital.

Na sexta-feira, o Presidente da República não teve agenda aberta à comunicação social, mas no sábado esteve presente numa homenagem à economista Manuela Silva, que decorreu no Instituto Superior de Economia e Gestão, em Lisboa.

Nesse mesmo dia, Marcelo visitou os doentes infetados com Covid-19 que estava internados no Hospital de São João, no Porto, e à noite esteve presente na comemoração do centenário do Teatro Nacional São João, juntamente com o primeiro-ministro, António Costa.

Entretanto, fonte do gabinete do primeiro-ministro adiantou à Lusa que António Costa vai manter a sua agenda prevista, "salvo indicação em contrário" da Direção-Geral de Saúde.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG