Coronavírus

Princess Cruises vai acompanhar português infetado até ser repatriado

Princess Cruises vai acompanhar português infetado até ser repatriado

A Princess Cruises, empresa que detém o navio Diamond Princess onde um português permaneceu infetado com Covid-19, garantiu estar em contacto com a família e que irá acompanhar o funcionário até que seja repatriado.

"A Princess Cruises pode confirmar que a nossa equipa médica de apoio à tripulação está em contacto com Adriano Maranhão e com a sua esposa. Devido às leis de privacidade, não podemos divulgar detalhes médicos, mas podemos confirmar que o Sr. Maranhão foi transferido para uma instalação médica em terra", informou a empresa, em resposta escrita à agência Lusa. "A nossa equipa de apoio aos tripulantes continuará em contacto com ele [Adriano Maranhão] e com a sua família para garantir que se sinta confortável até ser repatriado", adiantou.

Adriano Maranhão, canalizador no navio de cruzeiros Diamond Princess, foi transferido na terça-feira para o hospital da cidade de Okazaki, Japão, depois de ter ficado cerca de três dias retido numa cabine da embarcação, por infeção com coronavírus.

PUB

O cruzeiro, ancorado no porto de Yokohama, a sul de Tóquio, tornou-se no maior foco do novo coronavírus fora da China continental, tendo registado mais de 600 infetados entre os passageiros. A Princess Cruises confirmou que já não há passageiros a bordo do navio e que restam menos de 500 tripulantes.

O balanço provisório da epidemia do Covid-19 é de mais de 2700 mortos e cerca de 81 mil infetados (dos quais quase 30 mil já recuperaram), de acordo com dados de mais de 40 países e territórios. Além da China, onde o surto começou no final do ano passado, Irão, Coreia do Sul, Itália, Japão, Filipinas, França, Hong Kong e Taiwan registaram também vítimas mortais. A Organização Mundial de Saúde declarou o surto como uma emergência de saúde pública de âmbito internacional e alertou para uma eventual pandemia, após um aumento repentino de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão nos últimos dias.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG