Sondagem

Relação entre Costa e Marcelo é boa apesar das divergências

Relação entre Costa e Marcelo é boa apesar das divergências

Quase metade dos inquiridos defende alterações à matriz de risco (48%), tal como tem sido pedido pelo presidente da República. E estão em maioria os que validam o isolamento profilático de António Costa (53%), mesmo já estando com a vacinação completa.

A falta de sintonia entre Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa na avaliação e combate à pandemia foi evidente nos meses de junho e julho. Mas a maioria dos portugueses não atribui demasiada importância às divergências. De acordo com uma sondagem da Aximage para o JN, DN e TSF, são muito mais os que classificam a relação entre presidente e primeiro-ministro como boa ou muito boa (52%) do que os que consideram que ela é má ou muito má (8%).

Foi em meados de junho que a retórica entre Belém e S. Bento atingiu o pico. Com o número de infetados a subir e a evidência de uma quarta vaga de covid-19, Marcelo garantia que, no que diz respeito ao estado de emergência, "já não voltamos atrás". Costa foi rápido a responder, argumentando que ninguém, nem o presidente, poderia garantir que não se voltaria atrás. Marcelo sacou da Constituição e replicou que um presidente nunca é desautorizado pelo primeiro-ministro, para Costa pôr então água na fervura: a quezília resultara de alguma "confusão" e não havia qualquer conflito entre os dois.

Parece ter sido o suficiente para tranquilizar a maioria dos portugueses, uma vez que mais de metade classifica a relação entre os dois como boa (52%), com destaque para os mais velhos (73%) e para os eleitores socialistas (72%). São apenas 8% os que adivinham uma tensão insanável entre Belém e S. Bento, com destaque para os eleitores do Chega (31%).

Medir a pandemia

Um dos episódios na origem da falta de sintonia foi o da alteração da matriz de risco, a partir da qual se aplicam as restrições que foram regressando ao longo de junho e julho. Marcelo pediu que o Governo acrescentasse ao índice de transmissibilidade (Rt) e ao número de infeções variáveis como os internamentos em cuidados intensivos e as mortes, lembrando que a vacinação "muda o cenário". Costa não deu sinal de aceitar alterações e endureceu as medidas, semana após semana, indiferente aos alertas presidenciais contra os "fundamentalismos sanitários".

PUB

O que a sondagem da Aximage mostra é que, nesta matéria, o maior número de portugueses está com Marcelo e com a necessidade de alterar a matriz de risco (48%). O único segmento da amostra em que isso não acontece é entre os eleitores socialistas, que se dividem rigorosamente ao meio (35%).

Manter a quarentena

O escolho mais recente entre os dois líderes está relacionado com a quarentena de António Costa. O presidente questionou a pertinência de fechar em casa o primeiro-ministro, já com a vacinação completa, por causa de um contacto de risco com o seu homólogo luxemburguês. "Isto tem de ser explicado, para que não haja a ideia errada de que a vacina não serve para nada", disse o presidente.

Nesta matéria, no entanto, a maioria está com a decisão de manter a quarentena. Apesar de já estar vacinado, António Costa fez bem em cumprir o isolamento profilático, segundo 53% dos inquiridos (com destaque para as mulheres e os cidadãos mais novos, ambos com 60%). Um pouco menos de um terço (30%) subscreve as dúvidas de Marcelo Rebelo de Sousa (em particular os eleitores do Iniciativa Liberal, o único caso em que esta posição é maioritária).

16%

Uma fatia considerável de inquiridos não sabe responder à pergunta sobre alterações da matriz de risco, com destaque para as mulheres.

61%

Os eleitores do Iniciativa Liberal são os que mais contestam a manutenção das atuais medidas restritivas para conter a pandemia.

Mais velhos otimistas
Quanto mais velhos os eleitores, maior a perceção de que a relação entre presidente e primeiro-ministro é boa. Mas os únicos acima da média são os de 65 ou mais anos (73%).

Resistência masculina
Os homens contestam mais as restrições do que as mulheres. Há uma diferença de seis pontos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG