Aplicação

StayAway Covid com mais de dois milhões de utilizadores

StayAway Covid com mais de dois milhões de utilizadores

A aplicação de rastreio StayAway Covid conta com mais de dois milhões de utilizadores e de 323 códigos inseridos de utilizadores que testaram positivo para o novo coronavírus, revelou esta segunda-feira o instituto de engenharia do Porto responsável pelo seu desenvolvimento.

Em resposta à agência Lusa, o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) disse esta segunda-feira que 2 323 157 pessoas já descarregaram a aplicação.

Desses utilizadores, 323 inseriram o código confirmando que testaram positivo para o novo coronavírus, que provoca a covid-19.

A aplicação móvel, lançada no dia 1 de setembro, permite rastrear, de forma rápida e anónima e através da proximidade física entre smartphones, as redes de contágio por covid-19, informando os utilizadores que estiveram, nos últimos 14 dias, no mesmo espaço de alguém infetado com o novo coronavírus.

Na quarta-feira, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo ia apresentar ao parlamento uma proposta de lei para que seja obrigatório quer o uso de máscara na via pública quer a utilização da aplicação StayAway Covid em contexto laboral, escolar, académico, bem como nas Forças Armadas, Forças de Segurança e na administração pública.

No seguimento do anúncio do primeiro-ministro, a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) alertou na quarta-feira que tornar o uso da aplicação StayAway Covid obrigatória "suscita graves questões relativas à privacidade dos cidadãos", adiantando que aguarda pela oportunidade de se pronunciar no Parlamento.

Questionado na quinta-feira pela Lusa, o administrador do INESC TEC responsável pela aplicação, Rui Oliveira, afirmou que do ponto de vista da aplicação "não há rigorosamente nada" que o INESC TEC possa fazer para evitar que outras aplicações acedam à localização nos smartphones do sistema operativo Android [que liga automaticamente o GPS quando se liga o Bluetooth], sendo da responsabilidade do utilizador ter o cuidado de não permitir que outras aplicações acedam à sua localização.

Quanto ao sistema operativo da Apple, Rui Oliveira acrescentou que "essa questão nunca se colocou", uma vez que o sistema não ativa o GPS quando se liga o Bluetooth.

"Estas questões nunca causaram polémica antes da StayAway Covid aparecer. Se calhar é mais um serviço que a StayAway está a fazer socialmente que é chamar as pessoas à atenção de que quando usam uma aplicação, seja ela qual for, têm de ter muita atenção de saber que dados é que essa aplicação está a usar, mas a StayAway não usa esses dados", observou.

Outras Notícias