Covid-19

Universidade de Aveiro cria teste de saliva para substituir zaragatoa

Universidade de Aveiro cria teste de saliva para substituir zaragatoa

Um teste de saliva ultrassensível para a covid-19 está a ser desenvolvido na Universidade de Aveiro, em colaboração com vários hospitais, visando eliminar o desconforto da colheita de amostras com zaragatoa.

Segundo fonte académica, foi desenvolvido naquela universidade um kit de um teste de saliva ultrassensível, "altamente reprodutível, para a covid-19".

"O novo teste elimina o desconforto e a pesada logística da colheita de amostras com zaragatoa. Utiliza a robusta tecnologia de RT-PCR existente nos laboratórios nacionais, simplifica a automação dos processos laboratoriais, baixa o custo e facilita a testagem comunitária, em lares, escolas e empresas", salienta a Universidade.

Segundo os investigadores, a saliva é o principal veículo de transmissão do SARS-COV-2, o que torna a sua colheita de fácil execução no domicílio ou no local de trabalho, sem recurso a profissionais de saúde.

"Numa abordagem inicial os resultados dos testes com saliva mostraram que eram menos sensíveis do que os obtidos com colheitas por zaragatoa nasofaríngea, mas após ajustes no protocolo técnico, confirmou-se que a saliva pode igualmente ser usada na deteção de SARS-CoV-2 sem perda de sensibilidade", asseguram.

Até agora, a necessidade de treinar e mobilizar profissionais de saúde para a testagem com zaragatoas, bem como os gastos associados a material de proteção individual, limitavam a massificação dos rastreios.

Tais dificuldades são ultrapassadas com o novo teste covid-19 criado em Aveiro, que substitui a colheita efetuada com zaragatoa nasofaríngea por uma colheita de saliva, refere a instituição.

PUB

Com a colaboração das unidades hospitalares envolvidas no projeto, "foi validado um novo método de RT-PCR altamente sensível e reprodutível, que permite testar em paralelo um grande número de amostras de saliva a baixo custo".

Em parceria com a empresa Muroplás, de engenharia de plásticos para o setor médico-hospitalar, foi desenvolvido também um novo kit para a colheita de saliva, que pode ser enviado pelo correio ou outro meio para os laboratórios.

O coordenador do Laboratório de Medicina do Genoma e diretor do Instituto de Biomedicina (ibimed), da Universidade de Aveiro, Manuel Santos, que coordenou o projeto de investigação colaborativa, considera que o novo teste representa um avanço significativo no controlo da covid-19 por permitir a realização de testes na comunidade, de modo simples, a baixo custo, e fácil automação do processo laboratorial, possibilitando assim escalar o número de rastreios diários.

Segundo Manuel Santos, o kit de saliva desenvolvido pela empresa Muroplás também é útil para a recolha de amostras para a vigilância genética das variantes do coronavírus SARS-CoV-2, que o laboratório de Aveiro também avalia através de um projeto de investigação da covid-19 financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

O projeto foi desenvolvido pelos investigadores do laboratório de Medicina do Genoma, do Instituto de Biomedicina, da Universidade de Aveiro, em parceria com o Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga (CHEDV-Sta Maria da Feira), o Centro Hospitalar do Baixo Vouga (CHBV-Aveiro), o Centro Médico da Praça de São João da Madeira e a empresa nacional de engenharia de plásticos Muroplás, com sede na Trofa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG