Família real

Harry e Meghan: os rebeldes da realeza britânica deixaram tudo em polvorosa

Harry e Meghan: os rebeldes da realeza britânica deixaram tudo em polvorosa

Depois de os duques de Sussex terem anunciado que iriam "recuar" nos deveres enquanto membros seniores da família real do Reino Unido, levantaram-se várias questões sobre a decisão, muito escrutinada por alguma imprensa do país e por acérrimos guardiães da tradição da realeza.

Que 2020 poderia trazer a já há muito anunciada - e ainda não concretizada - saída do Reino Unido da União Europeia, já se sabia. O que não se imaginava é que, antes de o acontecimento ter lugar, haveria primeiro outra saída, inesperada, desta feita no seio da família real, que acaba de perder duas das maiores estrelas: Harry e Meghan, o eterno rebelde da realeza britânica e a plebeia com quem casou e que muita tinta fez correr em certa imprensa do país.

Foi na quarta-feira que, através de um comunicado publicado no Instagram, os duques de Sussex - casados em maio de 2018 e pais de Archie desde maio do ano seguinte - anunciaram, ao fim de "muitos meses de reflexão e discussões internas", a decisão de passarem a "desempenhar um novo papel progressivo" dentro da instituição. Querem afastar-se "do papel de membros seniores da Família Real" e tornar-se "financeiramente independentes", continuando "a apoiar totalmente" Isabel II, mas divididos entre o Reino Unido e a América do Norte. Na prática, abdicarão do fundo público (Sovereign Grant)que cobre os custos da família real e entram para o mercado de trabalho. O Palácio de Buckingham - que não terá sido levado em conta na decisão - retorquiu com uma nota muito breve, na qual comentou que as "conversações" com os duques de Sussex estão numa "fase inicial" e que "essas questões são complicadas e demoram tempo a ser resolvidas".

Charles e William foram avisados 10 minutos antes, diz o "The Guardian"

O anúncio - no fim de uma pausa de seis semanas do casal no Reino Unido e Canadá - provocou inquietação pública e até levou o conhecido museu Madame Tussauds, em Londres, a separar as estátuas de cera de Harry e Meghan das restantes figuras da família real. Na vida real, já há muito se especulava que a relação entre todos estivesse abalada.

Na edição online desta quinta-feira, o britânico "The Guardian" escreve que os duques "desafiaram as instruções da rainha de não divulgarem o anúncio bombástico (...) até que os detalhes dos planos fossem totalmente discutidos", revelando que enviaram uma cópia do comunicado aos príncipes Charles e William "apenas 10 minutos antes de este ser divulgado no Instagram". Já a agência de notícias Press Association e a Sky News dizem, citando fonte do Palácio, que a rainha e os sucessores querem uma "solução viável" para o futuro do casal "em dias, não semanas".

As primeiras páginas dos jornais - que pode consultar abaixo, uma a uma - foram obviamente dedicadas ao tema. O "Daily Mirror" escreveu, na capa, que a rainha não foi avisada da decisão e, em editorial, que isso "desrespeita" uma mulher "cuja vida foi dedicada ao sentido de dever e honra públicos", enquanto o "The Times" acusou Harry, sexto na linha de sucessão ao trono, de "petulância e cabeça quente". Outros, inspirados pelo termo "Brexit" e fazendo recair a responsabilidade da renúncia sobre a ex-atriz norte-americana, surgiram com o nome "Megxit". Do outro lado do Atlântico, o norte-americano "The New York Post" apresentou um desenho do casal, com ela de rolos na cabeça e cigarro na mão, e ele de roupão a beber uma cerveja.

Querem aproximar-se da imprensa

No novo site dos duques, onde esclarecem questões sobre "a nova fase", Harry e Meghan - que poderão continuar a usar esse título - dizem querer mudar a relação com a imprensa, "para garantir acesso aberto e diversificado" às suas futuras atividades, e notam que vão deixar de participar no sistema real que dá a alguns jornais acesso direto à família. O casal já tinha demonstrado insatisfação com a forma como os tabloides faziam essa cobertura e chegaram mesmo a processar várias marcas, acusando-as de lançarem uma "campanha implacável e maliciosa" contra a mulher de Harry, ele que sofreu na pele os "custos humanos" provocados pelos paparazzi, com a morte da mãe.

Como acontece sempre com assuntos de grande dimensão, a renúncia de Harry e Meghan agitou o Twitter, onde houve uma explosão de "memes" (imagens que acabam por viralizar) sobre o tema.

"Harry e Meghan a sair do Palácio de Buckingham"

Mítico "Como se atrevem?" de Greta, para questionar decisão dos duques

"O olhar que ela te faz antes de destruir a tua família e te fazer renunciar ao título real"

"A Meghan acabou de se tornar na nova Yoko Ono..." (numa referência à saída de John Lennon, seu companheiro, dos Beatles)

"A Rainha a ver o Harry e a Meghan a sairem do Palácio"

Não faltaram piadas sobre a nova vida dos duques...

E também há quem se mostre interessado em ocupar o seu lugar...

E claro que os fãs de "The Crown" não se esqueceram do potencial da decisão para a série

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG