Football Leaks

Hungria confirma extradição do hacker Rui Pinto

Hungria confirma extradição do hacker Rui Pinto

Rui Pinto vai mesmo ser extraditado para a Portugal. A Justiça húngara recusou, esta quinta-feira, o recurso interposto pelos advogados do hacker português responsável pelo site "Football Leaks".

O JN sabe que o material informático também será trazido para Portugal, por inspetores da Polícia Judiciária.

Há pouco mais de uma semana, Rui Pinto recorreu da extradição, dizendo tratar-se de um caso de "vida ou de morte". Apresentando-se como o denunciante do caso Football Leaks, que tornou públicos "pobres" do futebol europeu, Rui Pinto diz ser um "alvo a abater" e recusa confiar na Justiça portuguesa, que diz ser incapaz de investigar a "máfia do futebol". Deu como exemplo os casos de que é alvo o Benfica, mas também disparou contra o F. C. Porto, onde - disse - podem ter ocorrido desvios de dinheiro.

"Isto é uma questão de vida ou de morte e peço que não me envie para Portugal. Infelizmente não posso confiar nas autoridades portuguesas. Já deram provas de que, em casos relacionados com o futebol, são completamente parciais". Foi com estes apelos que Rui Pinto, o gaiense detido na Hungria a pedido das autoridades portuguesas por suspeitas de seis crimes informáticos e tentativa de extorsão ao fundo de investimento Doyen, tentou sensibilizar a juíza do Tribunal Metropolitano de Budapeste para evitar a extradição. Na altura, a juíza não concordou, lembrando que Portugal é um país da União Europeia suficientemente seguro para cuidar dos seus arguidos. Esta quinta-feira, foi confirmada a decisão tomada em primeira instância.

Imobusiness