Pandemia

Barrancos retira lenha do tradicional lume de Natal

Barrancos retira lenha do tradicional lume de Natal

Por causa da pandemia da covid-19, este ano em Barrancos "a tradição já não é o que era" e na Praça da República ficou vazia: a fogueira, o catalão e as zambombas não vão encher na noite de Natal dos barranquenhos.

Na quarta-feira, a 24 horas do lume ser acesso, trabalhadores da Câmara Municipal de Barrancos retiraram a lenha, que como manda a tradição, desde o passado dia 8 de dezembro estava a ser amontoada na praça central da vila raiana.

Eram 18 horas quando uma retroescavadora da edilidade barranquenha começou a limpar a via pública depois do Centro de Coordenação Operacional Municipal (CCOM) ter reunido durante a tarde e "ter decidido por unanimidade cancelar o lume ", revelou em comunicado a autarquia, presidida pelo socialistaJoão Serranito Nunes.

No documento, a edilidade acrescenta que foram atendidas as "orientações claras das autoridades (GNR), resultante de várias queixas dos munícipes", justificando que lamenta "não ser possível a realização desta manifestação da nossa cultura, mas, importa que com um comportamento cívico ajudemos a salvaguardar qualquer hipótese de contágio".

Em Barracos ninguém tem memória de o lume de Natal não se ter realizado. Jacinto Saramago, um dos cidadãos mais intervenientes da comunidade e responsável pelo blogue "Estado de Barrancos", disse ao JN que é a tradição "vem de tempos imemoriais e sempre houve. Nunca foi interrompida, nem nos tempos da ditadura", recordou.

O Natal em Barrancos é uma festa única. Por volta das 18 horas do dia 24 acende-se o lume que dura até ao final da noite do Dia de Natal. A maioria dos 1.750 habitantes do concelho e da vila juntam-se à volta da fogueira, cantando temas natalícios, no dialeto barranquenho, acompanhados pelos sons das zambombas e a assar o catalão, um enchido tradicional local.

Paredes-meias com a Extremadura espanhola e apesar dos laços comunitários e sociais entre os dois lados da fronteira, o concelho de Barrancos é atualmente o único do distrito de Beja que não tem um único infetado, e é, em conjunto com Alvito, um concelho onde não ocorreu qualquer vítima mortal. Desde o início da pandemia no passado mês de março, o Município registou somente 14 casos de confirmados de covid-19.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG