Covid-19

Enchente nas praias de Cascais no primeiro dia de pandemia

Enchente nas praias de Cascais no primeiro dia de pandemia

Apesar das recomendações do Governo para se evitarem grandes concentrações de pessoas numa altura em que Portugal regista 59 casos de infeção pelo novo coronavírus, as praias de Cascais encheram-se, esta quarta-feira, de portugueses.

A Autoridade Marítima Nacional confirmou, em comunicado, que a adoção de medidas preventivas para a contenção da propagação do Covid-19 gerou um "considerável aumento de pessoas a frequentar as praias", deixando uma série de alertas aos cidadãos, que "não devem ir a banhos".

"​É importante ter em conta que o mar nesta época do ano é um mar de inverno, e as praias e zonas de costa apresentam risco elevado devido aos efeitos da agitação marítima, apresentando também a sua morfologia alterada pelo efeito da ondulação forte que se verifica normalmente neste período do ano, encontrando-se nelas fundões, declives acentuados, remoinhos e agueiros", informou.

Além disso, a Autoridade Marítima Nacional recordou que "a maioria das praias não está vigiada", pelo que, em caso de necessidade, "a assistência pode ser mais demorada".

De recordar que, esta quarta-feira, a Organização Mundial da Saúde declarou uma pandemia de Covid-19.

"Estamos profundamente preocupados tantos pelos níveis alarmantes de propagação e gravidade, como pelos níveis alarmantes de inação. Por isso, consideramos que o Covid-19 pode caracterizar-se como uma pandemia", disse o diretor-geral da instituição, Tedros Adhanom Ghebreyesus, na conferência de imprensa diária da OMS, na sede da organização, em Genebra.

Em Portugal, o número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus subiu para 59, mais 18 do que os contabilizados na terça-feira.

A ministra da Saúde, Marta Temido, recomendou recentemente que os eventos com mais de cinco mil pessoas em espaço aberto sejam cancelados ou adiados, tal como os que juntem mais de mil cidadãos em recintos fechados e mais de 150 pessoas nos concelhos de Felgueiras e Lousada, os mais afetados pelo surto.