Covid-19

Beijo na cruz em lar de Melgaço: "Achei que era um risco controlado"

Beijo na cruz em lar de Melgaço: "Achei que era um risco controlado"

A diretora de serviços do Centro Paroquial de Paderne, Lurdes Gonçalves, que este domingo deu cruz a beijar a 17 utentes da instituição de Melgaço, diz ter considerado que "era um risco controlado".

A ação foi divulgada pela própria IPSS, na sua página oficial através de um vídeo, que entretanto foi apagado. O mesmo mostra a diretora a dar a cruz a beijar, num compasso improvisado, aos idosos um por um, desinfetando-a antes de a oferecer para ser beijada. O vídeo gerou uma onda de críticas nas redes sociais.

"Aceito todas a críticas em relação a este gesto que foi inteiramente meu. Analisando friamente a situação, era desnecessário. Pensei muito com o coração e menos com razão, e deixei-me levar pelo sentimentalismo da época", referiu, justificando: "Dói-me muito o outro e custou-me ver os utentes em sacrifício sem poder ver a família e viver a Páscoa. Quis fazer-lhes uma surpresa".

O Centro Paroquial de Paderne tem 15 utentes em lar e presta apoio domiciliário a quatro. "Em casa de cada utente passei álcool gel e eles usaram máscara para beijar a cruz. Quando entrei para a instituição desinfetei tudo e achei desnecessário dar máscara, porque os utentes estão confinados há muito tempo, e tive o cuidado de passar álcool gel de um para outro. Dei a 13", explicou, concluindo: "Foi uma falha publicar o vídeo para o público. A nossa intenção era publicar para os familiares dos utentes. As famílias ficaram muito agradadas e agradeceram a iniciativa".

Outras Notícias