Moçambique

Grupo Estado Islâmico reivindica controlo de Palma

Grupo Estado Islâmico reivindica controlo de Palma

O movimento terrorista Estado Islâmico reivindicou esta segunda-feira o controlo da vila de Palma, no extremo norte de Moçambique, que foi atacada na quarta-feira passada.

A agência oficial do grupo terrorista, a Amaq, divulgou imagens da vila e reivindicou a ocupação da capital do distrito, junto à fronteira com a Tanzânia.

Numa declaração publicada num dos 'sites' de propaganda do Estado Islâmico (EI) no serviço de mensagens instantâneas Telegram, o grupo 'jihadista' disse que atacou "quartéis militares e quartéis-generais do governo".

Além disso, o EI afirmou que tomou "o controlo da cidade" e relatou a morte de dezenas de militares "do Exército moçambicano e de cristãos, incluindo nacionais de Estados cruzados", numa referência a países ocidentais.

Não existem relatos sobre a situação na vila há vários dias e a capital provincial de Cabo Delgado, Pemba, tem sido destino de muitos deslocados.

A vila sede de distrito com 42 mil habitantes, que acolhe os grandes projetos de gás do norte de Moçambique, foi atacada na quarta-feira por grupos insurgentes jiadistas que há três anos e meio aterrorizam a região.

PUB

Dezenas de civis, incluindo sete pessoas que tentavam fugir do principal hotel de Palma, no norte de Moçambique, foram mortos pelo grupo armado que atacou a vila na quarta-feira.

A violência está a provocar uma crise humanitária com quase 700 mil deslocados e mais de duas mil mortes.

Vários países têm oferecido apoio militar no terreno a Maputo para combater estes insurgentes, cujas ações já foram reivindicadas pelo autoproclamado Estado Islâmico, mas, até ao momento, ainda não existiu abertura para isso, embora existam relatos e testemunhos que apontam para a existência de empresas de segurança e de mercenários na zona.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG