Massacre

Os rostos das vítimas do ataque terrorista na Nova Zelândia

Os rostos das vítimas do ataque terrorista na Nova Zelândia

Novos, velhos, homens, mulheres... O ataque a duas mesquitas na Nova Zelândia não poupou ninguém.

Quase todos a participavam nas orações de sexta-feira, as mais importantes da semana para a comunidade muçulmana. Conheça os rosto das vítimas do ataque, algumas confirmadas como tendo morrido, outras dadas como desaparecidas pela família e amigos.

Daoud Nabi, 71 anos

Nascido no Afeganistão, Daoud é uma das primeiras vítimas a ser identificada. Mudou-se para a Nova Zelândia nos anos 80, para escapar à invasão soviética. O filho, devastado, falou aos jornalista sobre a perda, com uma fotografia do pai no telemóvel.

Mucad Ibrahim, 3 anos

Oficialmente, está dado como desaparecido, mas ninguém o viu depois do ataque e não está na lista de feridos. "Pensamos que ele é uma das pessoas que morreu na mesquita [onde se encontrava com a família]. Nesta altura, todos dizem que está morto", disse um irmão ao site neozelandês Stuff.

Abdullahi Dirie, 4 anos

O "Washington Post" avança a morte do sobrinho do imã da mesquita Dar Al Hijrah, em Minneapolis, EUA. O cunhado telefonou-lhe a dizer que o filho mais novo, de cinco irmãos, tinha morrido no tiroteio.

Atta Elayyan, 33 anos

Atta era guarda-redes da seleção nacional de futsal neozelandesa e um conhecido empresário da área da tecnologia. As últimas informações davam conta que estaria a ser operado num hospital de Christchurch.

Naeem Rashid e o filho Talha Naeem, 21 anos

Segundo os relatos dos meios de comunicação locais, Naeem morreu no hospital depois de ter sido baleado, enquanto fazia frente ao atirador na mesquita de Al Noor. Era professor e estava há poucos meses no país. O filho, de 21 anos, morreu no local.

Mojammel Hoq, 30 anos

Estudante de Medicina Dentária, era natural do Bangladesh e está entre os desaparecidos.

Haroon Mahmood, 40 anos

Tinha acabado recentemente o doutoramento. Estava na mesquita Al Noor e ninguém conhece o seu paradeiro.

Husne Ara Parvin, 42 anos

Husne foi morta a tiro quando tentava chegar perto do marido, que se movimenta em cadeira de rodas, na zona masculina da mesquita Al Noor. Quando ouviu os tiros, decidiu que iria ajudá-lo, mas cruzou-se com o atirador pelo caminho. O marido sobreviveu e o casal tem uma filha.

Mohammad Imran Kahn, 47 anos

Morreu na mesquita de Linwood. Era o proprietário de dois restaurantes em Christchurch.

Amjad Hamid, 57 anos

Cardiologista palestiniano, Amjad procurou uma vida melhor na Nova Zelândia há 23 anos. "É terrível... esperavamos encontrar um futuro melhor para nós e para as crianças que planeavamos ter. É difícil falar sobre ele", disse a mulher ao New Zealand Herald. Apesar de a famíliar já não ter esperança, oficialmente está dado como desaparecido.

Lilik Abdul Hamid

Amigos procuram, através do Facebook, por informações sobre o paradeiro de Lilik. Engenheiro aeronáutico da Air News Zealand não é visto desde o ataque de sexta-feira.

Sayyad Milne, 14 anos

Sayyad morreu na mesquita Al Noor, onde se encontrava com a mãe e amigos. "Perdi o meu rapaz, tinha acabado de fazer 14 anos. Ainda não sei da morte oficialmente, mas sei que aconteceu porque houve pessoas que o viram", explicou o pai aos jornalistas.

Syed Jahandad Ali, 34 anos

Está desaparecido desde sexta-feira. A mulher, no Paquistão, teme que tenha morrido no ataque.