Exclusivo

Financiamento do Estado não cobre gastos com doentes dos Cuidados Continuados

Financiamento do Estado não cobre gastos com doentes dos Cuidados Continuados

Um estudo da Faculdade de Economia do Porto, elaborado para a Associação Nacional de Cuidados Continuados, conclui que o preço pago pelo Estado às unidades geridas pelo setor social e privado é insuficiente para cobrir as despesas. Nas unidades de longa duração, cada utente tem um custo adicional de 568 euros por mês, se forem considerados os aumentos dos salários mínimos e a taxa de inflação.

A Associação Nacional de Cuidados Continuados (ANCC) pediu à Faculdade de Economia do Porto (FEP) para determinar os custos reais de funcionamento das entidades prestadoras de cuidados continuados, nas diferentes tipologias de resposta, por forma a aferir se os valores pagos pelo Governo permitem cobrir os custos das instituições.

O estudo, divulgado pela associação nesta terça-feira de manhã, surge numa altura em que as despesas destas unidades estão a crescer, devido à subida generalizada dos preços, mas também aos aumentos dos salários mínimos dos últimos anos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG