Incêndios

Fogo de Pedrógão começou com contacto entre vegetação e linha da EDP

Fogo de Pedrógão começou com contacto entre vegetação e linha da EDP

O incêndio de Pedrógão Grande, que começou em Escalos Fundeiros, foi provocado por "contactos entre vegetação e uma linha de média tensão", que foi mal mantida, e não por uma trovoada seca, assegura Domingos Xavier Viegas, que coordenou o relatório do grupo de trabalho nomeado pelo Governo para apurar as causas do fogo que matou 65 pessoas.

O documento, entregue esta segunda-feira à ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, fala em "deficiente gestão de combustíveis na faixa de proteção da linha, por parte da entidade gestora", que neste caso é a EDP, confirmou o especialista Xavier Viegas - diretor do Centro de Estudos de Incêndios Florestais da Universidade de Coimbra.

"Não foi feita com cuidado a limpeza da vegetação em sua volta", explicou o perito aos jornalistas, à saída do ministério, apontado esta como a "primeira falha", que podia ter sido evitada, na deflagração deste fogo a 17 de junho que além das 65 vítimas mortais ainda provocou 200 feridos.

Esta conclusão afasta a hipótese, avançada pela Polícia Judiciária (PJ), de que um raio atingiu um cabo elétrico, que por sua vez caiu em cima de uma árvore. No relatório da Comissão Técnica Independente, conhecido há dias, a tese da PJ não é descartada. No entanto num relatório do IPMA enviado ao Governo a seguir à tragédia admitia que à hora da ignição do incêndio poderiam não ter ocorrido descargas na zona de Pedrógão.

"Acompanhámos o trabalho da PJ, considerámos várias hipóteses, mas neste momento a nossa convicção é esta", frisou.

Xavier Viegas apontou outras falhas como a "falta de perceção deste incêndio no ataque inicial", a "forma como foi abordado" e a maneira como os meios "foram dispostos no terreno".

Segundo o investigador houve ainda outra situação, que ocorreu mais tarde, e essa sim, inevitável, que foi "a entrada de uma trovoada que modificou seriamente as condições de propagação e, a partir daí, o incêndio tornou-se verdadeiramente incontrolável".

A falha no sistema de comunicações" terá contribuído para a falta de coordenação dos serviços de combate e socorro", lê-se também no documento, em que é também sublinhado que a coordenação das operações "foi claramente afetada quando se tomou conhecimento da existência de um grande número de vítimas mortais".

Este facto prejudicou, não só o combate, mas também "o socorro às vítimas feridas". Os investigadores dizem estar "convencidos" que uma operação de busca e salvamento "em larga escala" poderia "ter evitado algumas mortes e muito sofrimento aos feridos".