Relatório

Helicóptero do INEM sofreu "impacto sem probabilidade de sobrevivência"

Helicóptero do INEM sofreu "impacto sem probabilidade de sobrevivência"

O helicóptero que se despenhou em Valongo passou tão perto da torre de comunicações que as pás do rotor principal enrodilharam-se na estrutura. Ocupantes não tiveram hipótese de sobrevivência.

A cabine onde seguiram quatro pessoas ainda bateu contra duas espias da torre, antes de se imobilizar a 384 metros de distância, indica a nota preliminar do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF).

"Devido ao impacto, iniciou-se uma desintegração continuada de carenagens e outros painéis, bem como a separação de uma das pás do rotor principal, devido ao desbalanceamento do mesmo. A aeronave descreveu então uma trajetória balística em rotação lenta sobre o seu eixo longitudinal pela esquerda", pode ler-se no relatório.

Os destroços do Agusta 109S, que voava a serviço do INEM, ficaram espalhados numa área de 24600 metros quadrados, indica o GPIAAF.

A violência do acidente foi tal que o GPIAAF a classifica como "impacto sem probabilidade de sobrevivência", devido à violência do choque, mas também às "forças de desaceleração" que "excederam largamente as tolerâncias humanas".

Até ao momento na investigação, não foi possível confirmar se a balizagem luminosa estava operacional do momento do acidente.

ver mais vídeos