Protesto

Presidente de sindicato dos enfermeiros anuncia greve de fome

Presidente de sindicato dos enfermeiros anuncia greve de fome

O presidente do Sindepor (Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal) vai iniciar uma greve de fome em frente ao Palácio de Belém, esta quarta-feira.

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor) vai manter a greve cirúrgica e o seu presidente decidiu entrar em greve de fome até o Governo voltar à mesa das negociações.

Carlos Ramalho disse, esta terça-feira, em Évora, que vai iniciar a greve de fome na quarta-feira às 12 horas, junto ao Palácio de Belém, residência oficial do presidente da República.

O dirigente sindical falava em conferência de imprensa na sede de Évora da UGT, depois de o Ministério Saúde ter anunciado que iriam ser marcadas faltas injustificadas, a partir de quarta-feira, a todos os enfermeiros que adiram à greve.

Esta posição da tutela surge na sequência de um parecer da Procuradoria-Geral da República que considera ilícita a greve dos enfermeiros nos blocos operatórios.

A Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) pediu esta manhã que a greve fosse suspensa de imediato, face às ameaças de marcação de faltas injustificadas a quem adere à paralisação.

Numa mensagem publicada na sua página do Facebook, Movimento Greve Cirúrgica, que ajudou a promover a greve dos enfermeiros em blocos operatórios, pede que os colegas se dirijam à entrada dos hospitais na quarta-feira às 12 horas para "dar apoio a Carlos Ramalho".

Numa mensagem também no Facebook, a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, manifestou a sua solidariedade para com Carlos Ramalho, considerando que teve "uma atitude muito digna".