O Jogo ao Vivo

Balanço

Mais internados e quase 26 mil novos casos de covid-19

Mais internados e quase 26 mil novos casos de covid-19

Portugal somou quase mais 26 mil casos de covid-19 nas últimas 24 horas, período durante o qual morreram 15 doentes. O número de internados continua a aumentar, mas dentro do expectável.

O boletim da Direção-Geral da Saúde reporta esta terça-feira mais 25 836 infetados face a segunda-feira, o que eleva para 1 460 406 o número total de casos confirmados desde março de 2020. Por outro lado, em relação a ontem, recuperaram da doença quase 20 mil pessoas, havendo, ao todo, mais de 213 mil doentes com o vírus ativo (mais 5890 do que ontem).

Depois de, nos últimos dias, o número de novos casos se ter apresentado mais baixo quando em comparação com os dos últimos dias de 2021 e primeiro dia de 2022 - em resultado do encerramento de laboratórios no fim de semana - as infeções voltam hoje a subir a pique. E, de acordo com as previsões avançadas pela ministra da Saúde na semana passada, o número diário de casos deverá aumentar até aos 37 mil no dia 7 de janeiro - o que não é, por si só, motivo para alarme.

A maioria dos casos (cerca de 42%) continua a estar concentrada na região de Lisboa e Vale do Tejo, que hoje soma mais 10 831 infeções. No continente, segue-se o Norte, com 8848, o Centro, com 3322, o Algarve, com 653, e o Alentejo, com 641. Na Madeira, há mais 1322 contágios e nos Açores 219.

Mais 36 doentes nos hospitais

Um dia depois de Portugal ter atingido a marca das 19 mil mortes por covid-19 desde o início da pandemia, foram hoje contabilizados mais 15 óbitos: cinco em Lisboa e Vale do Tejo, cinco no Centro, três no Norte e dois no Algarve.

PUB

Quanto aos internamentos, depois de, na segunda-feira, a Direção-Geral da Saúde ter dado conta de mais 86 doentes nos hospitais, o aumento de hoje é menos acentuado: há 36 novos pacientes internados (1203, ao todo), com as unidades de cuidados intensivos a albergarem 147 pacientes, o mesmo número do que ontem.

Desde 30 de dezembro que Portugal tem mais de mil internados. No dia seguinte, o relatório da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) com a monitorização das linhas vermelhas para a covid-19 previa "provável um aumento de pressão sobre o todo o sistema de saúde e na mortalidade".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG