Covid-19

Marta Temido nega proibição de partilha de dados às autarquias

Marta Temido nega proibição de partilha de dados às autarquias

A ministra da Saúde esclareceu que não há proibição de informação de dados sobre a Covid-19 às câmaras municipais. Marta Temido pede antes que autoridades de saúde locais se "concentrem no envio da informação atempadamente".

Na conferência de imprensa diária sobre a evolução do surto da Covid-19 em Portugal, este sábado, Marta Temido esclareceu que a partilha de dados relativos à pandemia não foi proibida às autarquias. A ministra da Saúde disse antes que espera que as autoridades de saúde locais se "concentrem no envio de informação atempadamente". Alguns autarcas já tinham mostrado desagrado sobre o alegado impedimento dos delegados de saúde em disponibilizar informação diária às câmaras municipais.

Apesar da não proibição, a governante chamou a atenção para situações que possam violar o "segredo estatístico" ou a existência de "boletins parcelares" que levem a "análises fragmentadas". A ministra da Saúde falou ainda da importância das autoridades de saúde locais e regionais em enviar os dados até à mesma hora, todos os dias, para evitar discrepâncias.

Num dia em que se registam mais 35 mortes por Covid-19 em Portugal (um total de 470), Marta Temido quis ainda esclarecer os mais de 17 mil casos positivos de Covid-19, anunciados ao final da noite desta sexta-feira pelo Ministério da Saúde. "Uma pessoa infetada pode ter dois testes positivos", afirmou aos jornalistas. "Há testes de repetição para todos os casos confirmados", sobretudo "em caso de dúvida", acrescentou a ministra.

Questionada sobre se o Sistema Nacional de Saúde (SNS) assumiria a despesas dos doentes com Covid-19 no setor privado, Marta Temido disse que o Estado tem "obrigação de cobertura de todos os portugueses", mas assumiu que quem por sua iniciativa se dirigir a um hospital privado, terá de custear as despesas. "O SNS 24 continua a ser a porta de entrada" para doentes Covid-19, lembrou.

Das mais de 15 mil pessoas infetadas em Portugal (15987), Graça Freitas afirmou que 1849 profissionais de saúde tiveram teste positivo ao novo coronavírus: 488 são enfermeiros, 276 são médicos e 1085 são outros trabalhadores. Quanto ao número destes profisssionais a serem tratados nos cuidados intensivos, a diretora-geral da Saúde afirmou não ter dados disponíveis, mas revelou que estão estáveis.

Outras Notícias