O Jogo ao Vivo

Inflação

Material escolar está 16,5% mais caro este ano do que em 2021

Material escolar está 16,5% mais caro este ano do que em 2021

Cabaz de artigos escolares do KuantoKusta encareceu 15 euros, com a subida da inflação já a fazer-se sentir.

Aproxima-se a passos largos o regresso à escola de milhares de estudantes portugueses. No entanto, e antes do início das aulas, é preciso comprar toda uma parafernália de material para o ano letivo. Para os pais e encarregados de educação, a braços com uma inflação elevadíssima e perda de poder de compra, o cenário não se afigura nem risonho nem de poupança.

Isto porque um cabaz de material escolar básico está 15 euros mais caro, quando comparado com o mês de agosto de 2021. Este valor representa um aumento de 16,54% relativamente ao período homólogo, revelou ao JN/Dinheiro Vivo o KuantoKusta.

PUB

Segundo a análise do comparador de preços online, em agosto do ano passado, um cabaz para um aluno do segundo ciclo, contendo lápis e esferográficas, cadernos, uma mochila Eastpak, estojo e calculadora científica, custava 92,12 euros. Em agosto deste ano, o mesmo cabaz custa 107,36 euros, ou seja, mais 15,24 euros do que no ano passado [ver detalhes na infografia].

Entre os artigos escolhidos pelo KuantoKusta, as maiores subidas verificaram-se no estojo (+42,86%), nos cadernos A4 (+26,54%) e na mochila (+10,81%). Já os lápis e as esferográficas foram os artigos que não sofreram qualquer alteração.

A empresa refere que de uma forma geral "a inflação e o aumento dos custos de muitos materiais impactaram os preços de artigos como lapiseiras e minas (com uma subida média de preço de 205%), papel A4 (+160%), furadores e agrafadores (+115%) e lápis, afias e borrachas (+105%)".Já as mochilas escolares, as calculadoras e os estojos conseguiram uma descida do preço médio, de acordo com os dados da empresa.

procura a subir

Apesar de o pico de compra destes artigos acontecer habitualmente na segunda e terceira semanas de setembro (em 2021 foi entre os dias 13 e 23), no início do corrente mês a procura por material escolar e artigos de escritório já se fazia sentir.

O KuantoKusta verificou que a maior procura dos consumidores foi mesmo por material escolar, que cresceu 93,5%. Dentro desta categoria destacam-se a pesquisa de cadernos (+187,5%) e mochilas escolares (+287,5%).

Efeitos da inflação

O diretor comercial do KuantoKusta, André Duarte, diz que "os consumidores perderam poder de compra e têm mais interesse em comparar preços e fazer compras informadas, pela necessidade de esticar o orçamento".

Antecipar compras

Ricardo Pereira, diretor de marketing do comparador de preços, aconselha as famílias a anteciparem as compras, "por forma a evitar possíveis aumentos de preços, fruto da inflação".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG