Covid-19

Póvoa de Varzim em alerta com risco de contágio de Luís Sepúlveda

Póvoa de Varzim em alerta com risco de contágio de Luís Sepúlveda

A notícia de que Luís Sepúlveda está infetado com coronavírus fez soar os alarmes na Póvoa de Varzim, onde o escritor chileno esteve, há uma semana, a participar no "Correntes d' Escritas".

Num festival com dezenas de iniciativas e mais de uma centena de escritores de 14 nacionalidades, entre o convívio, as refeições em grupo, as viagens de autocarro entre o hotel e o Cine-teatro Garrett, os autógrafos, as entrevistas e o contacto com os leitores, o escritor, que esteve na Póvoa seis dias, contactou com centenas, se não milhares de pessoas.

O JN tentou ouvir a Câmara da Póvoa. O município remeteu toda a comunicação sobre o caso para a Direção Geral de Saúde (DGS), com esteve reunido, durante a manhã. Pouco depois, em comunicado, pediu a todos os funcionários que contactaram diretamente com o escritor para "ficarem em casa" e "evitarem contactos sociais".

Durante os seis dias em que esteve no evento, Luís Sepúlveda e a mulher Carmen Yañez, de 66 anos, ficaram alojados no Axis Vermar. A unidade hoteleira é, habitualmente, por esta altura do ano, teto e restaurante de todos quantos - escritores, editores, jornalistas e fotógrafos - participam no festival.

O JN tentou, por várias vezes, ouvir os responsáveis do hotel e saber se e que medidas de contenção estão a ser tomadas, mas a gerência não presta quaisquer esclarecimentos sobre o caso.

No âmbito do Correntes d"Escritas, Sepúlveda, de 70 anos, esteve, no dia 20, numa mesa de debate com os escritores portugueses José Luís Peixoto, José Gardeazabal e Paula Lobato Faria, a espanhola Marta Orriols e o tradutor alemão Michael Kegler.

José Luís Peixoto usou o Facebook para dizer que já foi contactado pela organização. Garante não ter qualquer sintoma e estar "de excelente saúde". Ainda assim, irá, conforme o pedido, ligar para a linha Saúde 24 e deseja "as rápidas melhoras" a Sepúlveda e a Carmen.

A DGS apela à "serenidade de todos" e pede a quem esteve "em contacto próximo" com o escritor que ligue para a Saúde 24. A ideia é tentar perceber onde terá sido infetado o escritor chileno e quem poderá ter contaminado.

Até ao momento, nada foi dito sobre quantas pessoas foram já identificadas como tendo estado em "contacto próximo" com Sepúlveda e aconselhadas a ficar em casa.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) registou 85 casos suspeitos de infeção, 12 dos quais ainda estudo, depois de ter sido descartada uma suspeita na Madeira. Há 73 casos que testaram negativo, de acordo com os números avançados este domingo pela Direção-Geral da Saúde.

A epidemia de Covid-19, que teve origem na China, já infetou 87.161 pessoas em 60 países de cinco continentes, das quais morreram 2.980.

Outras Notícias