Partidos

Resultado eleitoral do CDS-PP não impede Nuno Melo de avançar

Resultado eleitoral do CDS-PP não impede Nuno Melo de avançar

Seja qual for o resultado que o CDS-PP venha a ter nas legislativas de domingo, Francisco Rodrigues dos Santos não se livra de uma "clarificação da liderança", que chegou a estar marcada para novembro, sendo que o eurodeputado Nuno Melo deverá entrar num jogo. Para os críticos, é a forma como a liderança tem sido exercida que deve ser questionada e não os votos alcançados ou até o facto de conseguir ou não uma pasta governamental.

Francisco Rodrigues dos Santos, que foi eleito, faz esta quarta-feira, precisamente dois anos, não sente falta de legitimidade para se submeter aos votos dos portugueses no domingo. "O meu mandato termina no próximo congresso, quando ele for marcado", considera, repetindo o que disse quando, nas vésperas da eleição dos delegados, decidiu anular o conclave marcado para 26 e 27 de novembro, apesar de Nuno Melo já andar pelo país em campanha interna.

O eurodeputado ainda tentou, por todos os meios, que o conclave fosse realizado antes das legislativas, mas não conseguiu. "Vai realizar-se no calendário normal. A seguir às eleições legislativas, haverá congresso e disputar-se-á a liderança", como disse Francisco Rodrigues dos Santos no Porto, garantindo que, agora, não se irá furtar à apreciação dos militantes.

Novo e velho presidente

O líder do CDS-PP confia, contudo, que irá a esse congresso com um resultado nas legislativas que retire margem de manobra aos seus críticos internos.

"Tenho uma meta ambiciosa. É que o partido cresça e se afirme forte. E tenho a certeza absoluta que vou conseguir e, conseguindo, o novo presidente do partido será o velho presidente do partido. Sou eu", avisou Francisco Rodrigues dos Santos, embora não especifique qual é essa meta, ou seja, se inclui um número de deputados ou a conquista da pasta da Defesa, tal como já pediu a Rui Rio e o líder do PSD aceitou.

Mas, para os críticos internos, não é o cumprimento de metas eleitorais que está em causa. É a "lógica autoritária e prepotente" da presidência, apurou o JN. Por isso, a liderança terá "sempre que ser clarificada", mesmo que o CDS-PP consiga integrar um Governo. Daí que "oposição haverá sempre" no congresso que Francisco Rodrigues dos Santos promete marcar depois das legislativas.

PUB

Sendo assim, Nuno Melo será chamado a levar até ao fim o desafio à liderança. E não deverá recusar, apesar de ainda não ter decidido em absoluto. Segundo apurámos, na decisão não pesa o resultado eleitoral, mas a herança deixada pelo atual líder, em particular a situação financeira do CDS-PP.

O que dizem os estatutos do CDS-PP

Presidente em gestão
Segundo o artigo 31.º dos estatutos dos centristas, o presidente do CDS-PP só cessa o seu mandato quando "forem apurados e aclamados" os resultados das eleições em congresso. Até lá, Francisco Rodrigues dos Santos permanece em gestão.

Congresso bianual
O congresso "reúne ordinariamente de dois em dois anos". Mas pode ser convocado extraordinariamente por deliberação do Conselho Nacional ou mediante um requerimento assinado, "pelo menos, por 10% dos militantes".

Dez dias de antecedência
O Conselho Nacional tem que ser convocado pelo seu presidente com 10 dias de antecedência, se não for urgente. Pode ser requerido por um quinto dos membros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG