Liga

Braga "atira-se" ao Benfica por causa do calendário

Braga "atira-se" ao Benfica por causa do calendário

Depois das críticas das águias à paragem competitiva e ao próximo ciclo de jogos, os braguistas recordam que os benfiquistas foram a favor da marcação do Boavista-Braga para 31 de outubro, "bem dentro do ciclo caótico".

Um dia depois de o Benfica criticar o calendário do futebol português, visando a paragem atual e o ciclo infernal de jogos que se segue, o Braga veio a terreno para saudar a tomada de posição das águias, mas também para criticar uma espécie de incoerência por parte do clube da Luz.

"Um raio de luz desceu sobre o futebol português, iluminando a visão de alguns dos seus responsáveis sobre uma calendarização que agora se revela caótica e sobre a qual há conclusões taxativas e críticas lancinantes. É irónico que a Imprensa desta terça-feira dê eco do Benfica a rasgar as vestes contra o calendário, sobretudo por haver uma gritante falta de comunicação entre quem escreve as newsletters e quem representa o clube nas reuniões estratégicas e nas decisões em sede de Comissão Permanente de Calendários (CPC)", lê-se no comunicado do Braga.

O problema está no Boavista-Braga, marcado para 31 de outubro, apesar da indignação dos braguistas, uma vez que esse jogo acontece a meio da semana, entre os duelos com o Santa Clara e o Famalicão, e depois de compromisso europeu com o Besiktas. Ou seja, a equipa de Sá Pinto fará seis jogos em 16 dias, entre 24 de outubro e 10 de novembro.

"O Braga saúda, obviamente, que uma SAD com a responsabilidade do Benfica se junte à luta por um calendário, e citamos, que 'salvaguarde os interesses do futebol português' e que alerte contra a 'elevada concentração de jogos que se seguirá' à paragem. É um ato de contrição muito relevante por parte do clube que mais se indignou para que o Boavista-Braga se jogasse a 31 de outubro, bem dentro do tal ciclo caótico", critica o Braga.

"Fomos contra esta calendarização em abril, quando a mesma nos foi apresentada. Tudo o que defendemos em setembro, aquando do inenarrável processo de marcação do jogo com o Boavista, é por nós reafirmado", completa o clube.

A Liga e Pedro Proença também foram visados.

"Que seja a Taça da Liga o prego no caixão do futebol português é de uma ironia queirosiana, mas que da nossa parte não passará sem a devida denúncia: este estado de coisas é responsabilidade da Direção da Liga e dos clubes que a integram, mas é também o reflexo de um modelo de governação que o G15 já denuncia há dois anos como caduco, mas que Pedro Proença se recusa a reformar - contrariando o que prometera antes das eleições - e que ficará gravado na história como causa maior da nossa perda de competitividade".