Tenerife

Corpo encontrado no mar é de uma das menores raptadas pelo pai em Tenerife

Corpo encontrado no mar é de uma das menores raptadas pelo pai em Tenerife

As autoridades espanholas encontraram esta quinta-feira ao final da tarde, no mar das Canárias, o corpo de uma das duas menores desaparecidas que foram raptadas pelo pai a 27 de abril, em Tenerife, Espanha. Trata-se do corpo da filha mais velha, Olivia, de seis anos.

De acordo com a imprensa espanhola, que cita fontes da Guardia Civil, o corpo foi encontrado a uma profundidade de mil metros a cerca de três milhas da costa de Tenerife, dentro de um saco desportivo amarrado a uma âncora, perto do porto de Güimar, de onde Tomas Gimeno partiu na noite em que as meninas desapareceram.

O barco onde teriam fugido, recorde-se, foi encontrado à deriva, sem ninguém a bordo e sem âncora.

O corpo foi transferido para o Instituto de Medicina Legal de Santa Cruz de Tenerife para ser autopsiado, mas as buscas continuam com recurso a um robô submarino.

Apesar das fortes suspeitas, a delegação do Governo nas Ilhas Canárias acrescentou ser necessário aguardar que a "identificação do cadáver seja certificada pela autoridade judiciária".

Entretanto, o primeiro-ministro espanhol lamentou a descoberta no Twitter.

"Não posso imaginar a dor da mãe das pequenas Anna e Olivia, que desapareceram em Tenerife, face às terríveis notícias que acabamos de ouvir. Meu abraço, meu amor e de toda a minha família, que hoje se solidariza com a Beatriz e seus entes queridos", escreveu na rede social Pedro Sánchez.

PUB

Também a ministra da Igualdade, Irene Montero, afirmou não haver "palavras para os momentos de terrível dor" que a mãe das crianças está a enfrentar.

"Esta violência que se exerce contra as mulheres mães para bater onde mais dói é uma questão de Estado. Estamos aqui para o que for preciso", acrescentou a governante.

Olivia, de seis anos, e Anna, de um, foram raptadas em Tenerife pelo pai que avisou a mãe das crianças, Beatriz, de que "nunca mais iria vê-las na sua vida".

De acordo com o "El Mundo", Tomas Gimeno nunca terá aceitado a separação e incomodava-se com o facto de as filhas conviverem com o novo companheiro da sua ex-mulher.

No dia do desaparecimento, o pai terá sido interpelado pelas autoridades no porto por não estar a cumprir o horário de recolher obrigatório imposto no país.

No entanto, o barco não foi revistado porque ainda não tinha sido dado, até àquele momento, nenhum alerta para o desaparecimento das menores.

O caso chocou Espanha e levou várias figuras públicas, como Georgina Rodríguez, a fazer apelos nas redes sociais.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG