Brasil

Sergio Moro explica demissão: Bolsonaro quer ter acesso a investigações judiciais

Sergio Moro explica demissão: Bolsonaro quer ter acesso a investigações judiciais

O ministro da Justiça do Brasil Sergio Moro, que está demissionário, disse que o presidente Jair Bolsonaro exonerou a liderança da Polícia Federal porque pretende acesso às investigações judiciais, algumas das quais que envolvem os filhos ou aliados.

"O presidente disse, mais de uma vez, expressamente, que ele queria ter uma pessoa do contacto pessoal dele [para quem] ele pudesse ligar, [de quem] ele pudesse colher informações, [com quem] ele pudesse colher relatórios de inteligência. Seja o diretor [da polícia federal] seja um superintendente", acusou Sergio Moro, numa conferência de imprensa.

Falando aos jornalistas na sequência da demissão do chefe geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, que estava subordinado a Moro, o ministro demissionário frisou que deixa o cargo porque Bolsonaro quebrou a promessa que lhe fez de que não iria interferir na autonomia da Polícia Federal e do Ministério da Justiça.

Em primeiro lugar, "houve uma violação da promessa que me foi feita de carta branca [não interferência], em segundo lugar não havia uma causa [para a demissão de Valeixo]. Ficou claro que estaria havendo uma interferência política na Polícia Federal, o que gera um abalo e uma queda de credibilidade não [em relação] a mim, mas ao Governo", explicou Moro.

O ministro demissionário declarou que o presidente brasileiro lhe disse pessoalmente que queria trocar o chefe geral da Polícia Federal porque estava preocupado com investigações em curso no Supremo Tribunal Federal (STF), que podem evolver os seus filhos ou aliados políticos, e afirmou que o chefe de Estado queria ter acesso a relatórios sigilosos sobre investigações.

"Realmente não é o papel da Polícia Federal prestar este tipo de informação. A investigação tem de ser preservada. Imagine se durante a própria Lava Jato a ex-presidente Dilma [Rousseff] ou o ex-presidente Luiz [Inácio Lula da Silva] ficassem ligando para o superintendente [da Polícia Federal] em Curitiba para colher informações sobre as investigações em andamento", disse o ministro demissionário, que foi o coordenador da Operação Judicial Lava Jato que visou vários políticos, entre os quais aqueles dois responsáveis políticos.

Moro argumentou que chegou a explicar a Bolsonaro que a demissão do diretor-geral da polícia federal poderia gerar uma desorganização dentro da corporação, mas o chefe de Estado brasileiro decidiu exonerar Valeixo sem consultá-lo na manhã de hoje o que tornou sua permanência no Governo impossível.

"O problema nas conversas [que tive] com o presidente é que [ele não quer] só a troca do diretor-geral, havia também a intenção de trocar superintendentes, novamente o superintendente do Rio de Janeiro, e outros superintendentes, sem que me fosse apresentada uma razão, uma causa para realizar este tipo de substituição", relatou o ministro demisionário.

"Ontem conversei com o presidente, falei para ele que seria uma interferência política [a troca do chefe da polícia federal]. Ele disse que seria mesmo, falei que isto teria impacto negativo para todos", acrescentou.

Moro, que ficou conhecido como juiz da Operação Lava Jato responsável por condenar dezenas de empresários e políticos, disse que sentiu o dever de proteger a Policia Federal e alegou ter tentado evitar uma crise interna no Governo durante a pandemia do novo coronavírus, mas entendia que não poderia deixar de lado seu compromisso com o estado de Direito.

"De todo modo, no meu entendimento, não tinha como aceitar esta substituição. Há uma questão envolvida da minha biografia como juiz de respeito a lei, ao Estado de direito e a impessoalidade no trato com o Governo. Eu vivenciei isto na Lava Jato. Seria um tiro na Lava Jato", declarou.

O governante demissionário elogiou Dilma Rousseff por ter dado autonomia à Polícia Federal, uma medida que permitiu a concretização da própria Lava Jato, reafirmando a necessidade de um sistema de investigação criminal independente do poder político.

Moro mostrou-se grato pela nomeação para ministro e que agora pretendia descansar antes de determinar o que irá fazer no futuro.

"Infelizmente não tenho como persistir no compromisso que assumi sem que tenha condições de trabalho, sem que eu tenha condições de preservar a autonomia da Polícia Federal para realizar seus trabalhos ou sendo forçado a sinalizar uma concordância com uma interferência política na Polícia Federal cujos resultados são imprevisíveis", concluiu.