Desperdício

Cada português deita ao lixo 183 quilos de alimentos por ano

Cada português deita ao lixo 183 quilos de alimentos por ano

O Movimento Unidos contra o Desperdício, que celebra esta quinta-feira o segundo aniversário e assinala o Dia Internacional para a Consciencialização sobre Perdas e Desperdício Alimentar, quer "duplicar ou triplicar o número de particulares envolvidos" e chegar a mais empresas ao longo do próximo ano. Em Portugal, em 2020, últimos dados oficiais disponíveis, o desperdício alimentar atingiu os 183,5 quilos por habitante, o que corresponde a 1,9 milhões de toneladas de alimentos deitados ao lixo.

Segundo Francisco Mello e Castro, porta-voz do Movimento, atualmente há cerca de 3000 particulares envolvidos nesta causa, assim como 340 empresas, de setores tão variados como a agricultura, indústria, distribuição alimentar, restauração e hotelaria, que assumiram publicamente preocupações com o tema e estão a tomar ações para evitar que a comida vá para o lixo.

Segundo Francisco Mello e Castro, o "primeiro passo para reduzir o desperdício é tomar consciência do problema. Sentimos muitas vezes que as pessoas não têm noção da dimensão e do impacto" do problema. Quando as pessoas tomam consciência, "há uma mudança de comportamentos", acrescenta.

PUB

O responsável lembra que há muitas pessoas com carências económicas para sublinhar que o desperdício de bens alimentares é "um problema grave, com impacto económico, ambiental e social". Dados do INE revelam que a taxa de pobreza em Portugal atinge cerca de 1,9 milhões de pessoas.

Em Portugal, o desperdício alimentar gerado em 2020 atingiu os 183,5 quilos por habitante, o que corresponde a 1,9 milhões de toneladas. Os dados do INE, comunicados em junho à Comissão Europeia, tiveram em consideração diversos setores.

Famílias são quem mais desperdiça

Os agregados familiares são responsáveis pela maior parcela de desperdício alimentar, representando 67,5% do total. Segue-se a restauração e similares, setor que gerou 313,8 mil toneladas de resíduos alimentares (12,6% do total). O setor do Comércio e Distribuição gerou 214,2 mil toneladas de resíduos alimentares (11,3%), a Produção Primária registou 101,4 mil toneladas (5,4% do total) e a Indústria Alimentar contribuiu com 61,7 mil toneladas de resíduos, pouco mais de 3%.

Quanto a doações de bens alimentares em risco de desperdício, em 2020 o Comércio e Distribuição entregou 11 598 toneladas (38%), a Indústria Alimentar 11 185 toneladas (37%),os Agregados Familiares um total de 2 739 toneladas (9%), a Produção Primária 2 603 toneladas (9%) e a Restauração e similares o restante.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG