Exclusivo

Preço das casas em Portugal aumentou 53% em cinco anos

Preço das casas em Portugal aumentou 53% em cinco anos

Rendas estão acima de mil euros em 21% dos alojamentos e acima de 650 euros em 40,4%. Saiba quais são as propostas dos partidos para resolver o problema da habitação no país.

O preço das casas aumentou 53% entre 2015 e 2020, em Portugal, ao dobro do ritmo de Espanha e da Zona Euro, segundo o Eurostat. Quem arrenda também está a pagar mais de mil euros por mês em 21% dos alojamentos arrendados e 40,4% pagam mais de 650 euros, revelam os dados preliminares dos Censos 2021. Segundo o Instituto Nacional de Estatística, o ritmo de construções novas abrandou na última década (de 16% para 1,7%), o que explica parte da falta de oferta acessível.

Atualmente, Portugal dispõe de 5,89 milhões de alojamentos e o número de agregados pouco passa de 4,1 milhões. Porém, entre os Censos 2011 e os Censos 2021, há um aumento maior de famílias só com uma pessoa do que de agregados com duas ou três pessoas, havendo ainda menor variação nos agregados com quatro e cinco ou mais pessoas. Não há é alojamento acessível, uma vez que, num país onde o salário médio era de 1039 euros em 2021, um terço da população vive em alojamento arrendado. E 61,4% das rendas são superiores a 650 euros mensais, o que implica um esforço de 50% no salário médio.

A visão dos partidos quanto ao travão possível ao aumento das rendas varia entre espetros opostos. O Iniciativa Liberal crê que liberalizar o mercado por completo, facilitando investimento privado, vai acabar por aumentar oferta e regular as rendas. Já o Bloco de Esquerda e a CDU consideram que foi o excesso de liberalização (vistos gold, alojamento local, benefícios fiscais a fundos imobiliários e até o Novo Regime de Arrendamento Urbano, chamado de "lei Cristas") que criou a atual crise. Propõem, resumidamente, que o Estado retome as rédeas do mercado, liderando com baixa de preços nas rendas para jovens e tabelando valores máximos para as rendas praticadas no privado. O Livre também quer tabelar rendas e criar novos apoios ao arrendamento.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG