Covid-19

DGS já tem parecer de peritos sobre vacinação de crianças entre os 5 e 11 anos

DGS já tem parecer de peritos sobre vacinação de crianças entre os 5 e 11 anos

A Direção-Geral da Saúde (DGS) recebeu na quinta-feira a posição do grupo de peritos em pediatria e saúde infantil por causa da vacinação contra a covid-19 em crianças dos 5 aos 11 anos e divulgará oportunamente as recomendações.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) reitera, esta sexta-feira em comunicado, que o processo de avaliação da vacinação contra a covid-19 das crianças dos 5 aos 11 anos "está ainda a decorrer" e que a Comissão Técnica de Vacinação contra a covid-19 (CTVC) está a analisar as informações recebidas do grupo de peritos em pediatria e saúde infantil, assim como "outros documentos relevantes para a elaboração das recomendações".

Entre estes documentos está a informação técnica que Centro Europeu de Doenças (ECDC) emitiu no passado dia 1 de dezembro, em que apoia a vacinação de crianças entre os 5 e os 11 anos, conforme aprovado pelo regulador da União Europeia (UE), sugerindo que as que correm risco integrem grupos prioritários.

No documento publicado na quarta-feira, o ECDC conclui que "as crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 11 anos que correm risco grave de covid-19 devem ser consideradas um grupo prioritário para a vacinação, tal como em outros grupos etários".

A DGS diz que a análise da mais recente evidência científica sobre a vacinação destas faixas etárias "encontra-se a decorrer também a nível europeu, estando em curso várias reuniões de Autoridades de Saúde congéneres para a discussão deste tema, nas quais a CTVC tem participado".

"A emissão de recomendações em vacinação é um processo técnico rigoroso baseado numa avaliação de risco-benefício, numa perspetiva individual e de saúde pública", sublinha a DGS, acrescentando que as recomendações "serão tornadas públicas oportunamente".

PUB

No mês passado, a Sociedade Portuguesa de Pediatria (SPP) divulgou uma informação no seu site considerando que as vacinas contra a covid-19 são seguras no grupo etário dos 5 aos 11 anos, mas defendendo que a decisão de vacinar ou não nestas idades tenha em conta outros dados, como a prevalência da infeção nas crianças.

Sublinhando que as crianças "têm sido fortemente prejudicadas na pandemia devido aos confinamentos sucessivos, que afetam seriamente a sua aprendizagem e saúde mental e aumentam o risco de pobreza e de maus-tratos", a SPP defende que, provada a segurança e eficácia da vacina, "poderá ser considerada a sua aplicação neste grupo etário, se isso permitir trazer normalidade à vida das crianças".

A vacinação nesta faixa etária continua a dividir as opiniões médicas e científicas, com alguns profissionais, entre os quais o presidente do Colégio da Especialidade de Pediatria da Ordem dos Médicos, que considera que "ainda não há evidência (prova) que justifique".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG