Educação

Exames do Secundário com o triplo das questões obrigatórias

Exames do Secundário com o triplo das questões obrigatórias

O Instituto de Avaliação Educativa pretende evitar enviesamento das notas no Secundário.

Os alunos do Secundário terão de responder a mais perguntas de resposta obrigatória nos exames nacionais, marcados para o próximo mês de julho. O objetivo do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), entidade responsável pela elaboração e classificação dos exames nacionais, é evitar as notas muito altas e certificar-se de que a matéria das disciplinas é avaliada.

No ano letivo anterior, o aluno podia escolher a que perguntas respondia no exame, além das obrigatórias, de forma a não ser prejudicado pela interrupção letiva, durante a primeira vaga da pandemia.

Embora se mantenha o mesmo modelo, isto é, um grupo de perguntas opcionais em que conta a melhor resposta, as questões obrigatórias serão mais e terão mais peso na nota final dos exames.

Há disciplinas em que as perguntas obrigatórias nos exames nacionais serão três vezes mais do que no ano passado, segundo as normas publicadas pelo IAVE no início deste mês. Alguns exemplos: no exame de Filosofia, a parte obrigatória terá 12 questões e Geografia terá 18 perguntas de caráter obrigatório.

Luís Pereira dos Santos, presidente do IAVE, afirma ao JN que houve a "preocupação de acautelar uma maior representatividade do currículo" e que tal não deverá colocar em causa "a equidade e a justiça possível entre os alunos".

Mesmo com uma interrupção das aulas presenciais no presente ano letivo, o responsável acredita que as escolas e os alunos se encontram "preparados para enfrentar as condições de aprendizagem, designadamente em situações de ensino a distância".

PUB

Pereira dos Santos conclui que o rigor dos exames não será afetado com estas medidas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG