O Jogo ao Vivo

Pandemia

Os conselhos da DGS para um Natal em família

Os conselhos da DGS para um Natal em família

A Direção-Geral apontou, esta terça-feira, em conferência de imprensa, dez conselhos para os portugueses passarem a quadra festiva em segurança.

Rui Portugal, subdiretor-geral da Saúde, afirmou ser crucial os portugueses cumprirem as restrições em cada concelho, nomeadamente face à mobilidade e às aglomerações.

Caso esteja infetado ou com sintomas de covid-19, devem ser cumpridas as regras que lhes foram dadas pelas autoridades de saúde. Durante o Natal, as famílias devem dar apoio aos doentes. "Afastamento físico não significa afastamento familiar", disse Rui Portugal.

Antes e durante a quadra festiva, os contactos devem ser reduzidos, por exemplo, se habitualmente festejava o Natal com dez ou mais pessoas, deve ponderar diminuir o número de familiares ou amigos em casa, para diminuir uma potencial propagação do novo coronavírus.

PUB

O mesmo se passa com as horas que vai passar com familiares ou amigos nos dias de Natal: em vez de passar cinco horas com várias pessoas, a DGS aconselha a reduzir o tempo e passar apenas uma ou duas horas em grupo.

Embora o Natal seja, para muitos, sinónimo de casa cheia, com a família alargada, em tempos de pandemia é recomendado festejar somente com o agregado familiar.

Se realmente visitar outros membros da família, deve ponderar fazê-lo no exterior e durante pouco tempo. Rui Portugal aconselha trocar prendas nos quintais ou nos patamares dos prédios, por exemplo.

As cozinhas são, por norma, um espaço das casas onde as pessoas se reúnem para preparar a ceia de Natal. Segundo Rui Portugal, deve-se evitar espaços de alto risco de propagação, pequenos e apertados. Os cumprimentos tradicionais (abraços, beijos e cumprimentos de mão) devem ser adaptados. O distanciamento físico de um metro e meio a dois metros tem igualmente de ser cumprido.

Sempre que possível, as casas devem ser arejadas e as superfícies no interior desinfetadas.

Em espaços interiores e mesmo em família (especialmente se não for do agregado familiar), caso não seja possível manter o distanciamento, deve-se usar a máscara adequadamente e respeitar a etiqueta respiratória (se espirrar colocar o braço à frente da boca).

A partilha de objetos não deverá acontecer, nomeadamente o uso de talheres. O subdiretor-geral da Saúde afirmou ainda que se deve ter cuidado com o uso de substâncias (álcool) que possam desinibir e contribuir para mais "afetividade" e descuidos entre familiares e amigos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG