Imagens

Últimas

Pedro Ivo Carvalho

Crianças, sim. Crianças, não

Crianças, sim. Os números do emagrecimento demográfico português são expressivos, mas não deixam propriamente ninguém de queixo caído. São um "acidente" público há demasiado tempo. Perdemos mais de 200 mil habitantes numa década e agravámos o plano inclinado de um país cada vez mais litoralizado, cada vez mais centrado na capital e cada vez mais distante dos chamados territórios de baixa densidade, das suas preocupações e da sua agenda de prioridades. A ideia romântica de que cheques-bebé e terrenos baratos são cartões de visita irrecusáveis para convocar povoadores para o interior é apenas isso. Romântica. E no meio desta razia imparável avulta um dado que talvez seja o mais preocupante: a esquálida taxa de natalidade. Por isso, a pergunta que nos devemos fazer, estejamos no litoral pujante e povoado, estejamos no interior adormecido e deserto, é esta: que condições estamos a criar para que os jovens que hoje estão a sair do regaço dos pais se sintam impelidos a ter filhos? A dar-nos futuro?

Pedro Ivo Carvalho

Cuba: a hora é de liberdade

Ainda é cedo para dizermos se a sublevação popular em Cuba vai conduzir a um novo tempo político, económico e social. Sobretudo porque a ditadura comunista que governa a ilha há décadas tem conseguido sempre encontrar um expediente que garanta a sua sobrevivência e a eternização romântica do "pátria ou morte", frase-bandeira celebrizada por Che Guevara em 1964 que continua a ser muito popular em t-shirts do mundo ocidental, mas que não tem feito outra coisa senão arrastar o povo da ilha das Caraíbas para a miséria.

Pedro Ivo Carvalho

Só eles sabem porque não ficam em causa

Há dias, numa magnífica entrevista ao jornalista Sérgio Pires, o escritor Álvaro Magalhães dissecou com mestria as peculiaridades da tribo do futebol. Detive-me numa passagem: "Porque é que a gente gosta disso (do futebol)? Porque nos anima. Porque nos dá vida. Vida anímica, irracional, inconsciente. E nós precisamos disso. Falta-nos esse território quase animal. Somos criaturas civilizadas, mas temos também uma zona animal, que alimentamos através do futebol".

Pedro Ivo Carvalho

Porto sentido

Com mais ou menos requinte, são infindáveis os epitáfios já escritos dedicados ao modelo social europeu. A Europa tem muitas falhas endémicas, mas continua a ser o mais perfeito de entre os imperfeitos projetos de integração social e civilizacional do Mundo. De resto, parte considerável da sua inércia tem que ver precisamente com as hesitações naturais de um bloco político formado por culturas, línguas, economias, personalidades e conceitos democráticos diversos. São demasiadas vozes a tentar fazer-se ouvir numa sala onde todos ecoam.