Greve

CP suprimiu 130 comboios, 50 passageiros retidos em Vigo

CP suprimiu 130 comboios, 50 passageiros retidos em Vigo

Apesar de a greve de um dia dos trabalhadores da CP-Comboios de Portugal se iniciar, apenas, após a meia-noite deste domingo a empresa foi obrigada, até às 20 horas, a suprimir 130 comboios.

Em declarações ao JN, Ana Portela, do Gabinete de Comunicação da CP, justificou as 130 ligações canceladas este domingo com as regras sindicais, que a isso obrigam, como sucede, por exemplo, se um trabalhador se deslocar do local onde reside para outra cidade e o regresso só seja feito no dia seguinte, ou seja, durante o dia de greve.

"Lamentamos a situação por respeito aos nossos clientes mas há regras sindicais a que não podemos, legalmente, fugir", disse Ana Portela, sublinhando que os efeitos da greve se farão, também, sentir na terça-feira.

Esta tarde, a CP e a espanhola RENFE anularam o comboio Celta, entre Vigo e Porto, que partiria às 18.57 horas, deixando mais de 50 passageiros sem meio de transporte para chegarem a Portugal.

Paula Nogueira, de Braga, que havia comprado o bilhete à RENFE em Santiago de Compostela, disse ao JN que, quando chegaram à estação lhes foi dito, por funcionários desta empresa, que o comboio foi anulado devido à greve na CP, que começa após a meia-noite.

"Estamos aqui viajantes portugueses, espanhóis e outros europeus. Não compreendemos porquê se anula um comboio que chegaria ao Porto às 21.40 horas, quando a greve é só no dia seguinte", desabafou, sublinhando que o dinheiro gasto no bilhete lhes foi devolvido, mas não lhes foi indicado ou oferecido um transporte alternativo.

Sobre esta queixa, a CP diz que seria impossível encontrar autocarros para 130 cancelamentos e salienta que já havia alertado os utentes para a possibilidade de a greve trazer perturbações no dia anterior e no dia seguinte.

PUB

A greve serve para reivindicar aumentos salariais de 90 euros para todos os trabalhadores.

A decisão foi tomada em abril, em plenários descentralizados de trabalhadores que se realizaram no Porto, no Entroncamento e em Lisboa e foram promovidos pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário (SNTSF), da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans).

A paralisação decorre entre as 00.00 horas e as 24 horas, mas abrange também os trabalhadores que iniciem o seu período de trabalho este domingo ou nas últimas horas de segunda-feira e terminem no dia 17.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG