Covid-19

Estado de emergência "dá tempo e espaço ao Governo para definir critérios"

Estado de emergência "dá tempo e espaço ao Governo para definir critérios"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, decretou, esta quinta-feira, a renovação do estado de emergência por mais 15 dias, até 2 de maio.

"Acabo de assinar a segunda - e desejo que seja a última - renovação do estado de emergência, até 2 de maio. Estamos mais próximos do fim do mês de abril, decisivo para esta segunda fase", afirmou Marcelo, em declaração ao país.

"Aqui chegados, porquê esta renovação? Por três razões: a nossa tarefa dos lares precisa de mais algum tempo, é imperativo consolidar essa tarefa; a segunda razão é que temos de continuar a estabilizar o número de internamentos, especialmente nos cuidados intensivos; terceira razão, porventura a mais relevante, é dar tempo e espaço ao Governo para definir critérios para a abertura da sociedade em maio, para criar segurança e confiança nos portugueses, para que possam sair de casa", acrescentou o Presidente.

"Uma palavra para os da minha idade: não tenham receio. Ninguém minimiza a vossa entrega de muitas décadas. Outra para os mais jovens: admiro a vossa capacidade de reagir ao maior choque da vossa vida. A terceira para os autarcas: se, passado este momento mais grave da crise, alguém questionar um dia decisões dramáticas, serei o primeiro a testemunhar que foi essencial o vosso papel", disse Marcelo.

"Tudo dependerá do que conseguirmos alcançar até ao fim de abril. A terceira fase, em maio, tem de ser o mês dessa ponte entre dever e esperança. Confiança é a palavra-chave. Uma abertura bem ponderada dá força à economia", alertou o Presidente da República. "Temos de resistir às tentações e evitar precipitações em abril. Bastante está a ser ganho, mas ainda falta porventura o mais difícil. Não queremos morrer na praia. Dizem lá fora que é um milagre. Não é um milagre, é fruto de muito sacrifício", acrescentou. "Se isto é um milagre, o milagre chama-se Portugal".

A Assembleia da República aprovou esta quinta-feira o decreto do Presidente da República que renova o estado de emergência até ao final do dia 2 de maio, para permitir medidas de contenção da Covid-19.

No plenário, o PS, PSD, BE, CDS-PP e PAN votaram a favor da prorrogação do estado de emergência, enquanto o PEV e Chega abstiveram-se. O PCP, a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira e o líder da Iniciativa Liberal, João Cotrim de Figueiredo, votaram contra.

A estratégia do Governo está traçada: "retomar a economia sem descontrolar a pandemia". No debate sobre a renovação do terceiro estado de emergência, que o primeiro-ministro espera que seja "o último", António Costa sublinhou que é preciso ganhar em abril a liberdade de maio.

Outras Notícias