Covid-19

Número de mortes abaixo das 150 e mais um dia com menos de três mil casos

Número de mortes abaixo das 150 e mais um dia com menos de três mil casos

Morreram 149 pessoas por causas associadas à covid-19 nas últimas 24 horas em Portugal, período no qual foram reportados 2854 casos da doença. Óbitos totais passam os 15 mil.

Os números do boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS), revelados esta sexta-feira, engrossam o total de casos para 781223, enquanto os óbitos ascendem a 15034.

É o terceiro dia seguido com menos de 200 vítimas mortais em 24 horas, e o registo mais baixo desde 14 de janeiro, quando foram reportados 148 óbitos. Os casos caíram abaixo dos três mil, pela terceira vez esta semana, cujo máximo foi de 4387, na quarta-feira.

PUB

Os internamentos baixaram pelo quarto dia consecutivo, com um recorde de altas hospitalares desde que há registos (340), estando hospitalizadas 5230 pessoas, o número mais baixo desde 17 de janeiro, quando os hospitais cuidavam de 4889 doentes. No entanto, nas Unidades de Cuidados Intensivos a situação agravou-se, com a entrada de 10 doentes em estado grave - 846 no total.

Mais 7617 pessoas recuperaram da doença, para um total de 652739 doentes curados desde que a pandemia foi detetada em Portugal. Contas feitas, os casos ativos são, agora, 113450, menos 4912 do que na quinta-feira, estando 149651 pessoas sob vigilância (5647 menos do que ontem).

Portugal ultrapassou os 15 mil mortos desde o início da pandemia

Portugal passou aos 15 mil mortos por covid-19 cerca de 11 meses depois de confirmado o primeiro óbito associado à doença. De 16 de março de 2020, quando foi noticiada a morte de Mário Veríssimo, a esta sexta-feira, 12 de fevereiro, morreram 15034 pessoas por causas associadas oficialmente ao vírus da SARS-CoV-2: uma média de 45 vidas perdidas por dia.

O mês de janeiro, com 5576 mortes, foi o mais gravoso, com uma média de 180 óbitos por dia, registo inferior ao dos primeiros 12 dias de fevereiro (213/dia). O que não significa que o mês que corre vá ser pior, porque o ano começou com 66 óbitos e chegou aos 303 de máximo, por duas vezes, nos primeiros 28 dias.

Fevereiro começou com 275 mortes, o máximo deste mês, e tem descido sustentadamente, acumulando quatro dias seguidos com menos de 200 óbitos diários - 149 hoje. A este ritmo, a média de óbitos por dia será inferior à de janeiro, quando março chegar.

O número de mortes mais do que duplicou desde o início de 2021. Portugal terminou 2020 com um total de 6906 vítimas mortais associadas à covid-19, mas somou já 8128 óbitos, mais 1222 do que em todo o ano transato. Fevereiro, apesar de mostrar uma tendência sustentada de descida do número de vítimas, já registou 2552 mortes, número superior às 2401 reportadas no mês de dezembro de 2020.

Um "trintão" entre as vítimas mortais das últimas 24 horas

Já não seria necessário recordar, mas a morte de um homem com menos de 40 anos serve de lembrança a todos os que acham que a covid-19 só é fatal para os mais velhos. É a 38 vítima registada no escalão dos 30-39 anos, num dia sem óbitos na faixa etária seguinte (40-49).

Nos "cinquentões" foram reportados dois óbitos, ambos homens, num escalão, dos 50-60 anos, que perdeu 382 vidas desde o início da pandemia, que afeta particularmente os mais velhos. Algo particularmente evidente nas últimas 24 horas, com o escalão acima dos 80 anos a reportar 103 óbitos (50 homens e 53 mulheres), quase 70% do total diário de mortes, num escalão que representa cerca de 67% do total nacional - 10060 vidas perdidas desde o início da pandemia.

Na faixa etária dos septuagenários morreram 33 pessoas, 23 homens e 10 mulheres, num escalão, dos 70-79 anos, que reportou 3117 óbitos desde o início da pandemia. Entre os sexagenários, perderam-se 10 vidas, cinco de cada género, para um total que vai em 1288 vítimas mortais desde 2 de março.

Lisboa com mais óbitos e mais casos, mas a dar sinais de quebra

A Região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) continua a ser a mais afetada pela pandemia, apesar de denotar uma quebra no número de casos e de óbitos, que em ambos os casos não chegou a metade do total nacional, esta sexta-feira.

A Região de Lisboa reportou 64 óbitos, o número mais baixo desde os 47 de 11 de janeiro, há um mês, e 1366 infeções, o registo mais reduzido desde 3 de janeiro, quando foram reportados 1232 casos positivos. Números totais, morreram 6132 pessoas no entorno de Lisboa, em 293283 infeções registadas desde 2 de março.

Na Região Norte morreram 35 pessoas, menos quatro do que na quinta-feira, e foram registados 720 casos positivos, o segundo dia seguido na casa dos 700, numa semana em que só uma vez, na quarta-feira, houve mais de mil casos (1050). Desde o início da pandemia, a zona mais setentrional do país perdeu 4991 pessoas, em 320556 infeções reportadas.

Ao centro, ocorreram 32 óbitos, mais 11 que na quinta-feira, mas em linha com os registos da semana, sempre na casa dos 30, à exceção de ontem (21). Com mais 427 casos, número mais baixo desde os 298 de 28 de dezembro, são, no total, 111561 as infeções reportadas na zona central do país, das quais resultaram 2678 óbitos.

No Alentejo, os casos caíram para metade, de um dia para o outro, enquanto os óbitos se mantiveram (10 hoje, 11 ontem). Com as 142 infeções reportadas nas últimas 24 horas, o total ascende, agora, a 27546, das quais resultaram 862 mortes.

No Algarve os casos também caíram, de 148 para 109, tendo sido registado mais um óbito (sete) do que ontem. Contas atualizadas, a região mais a sul de Portugal perdeu 284 vidas em 19249 infeções, desde o início da pandemia.

Os Açores subiram acima dos dois dígitos pela segunda vez esta semana, ao reportarem 16 casos positivos de covid-19, elevando o total para 3660 desde o início da pandemia. Os óbitos mantêm-se nos 28, pelo terceiro dia seguido.

Na Madeira, os casos caíram para menos de metade, 74, após o pico da semana (152) na quinta-feira, tendo sido reportado mais um óbito - 59 em 5368 infeções desde o início da pandemia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG