Balanço

Portugal ultrapassa os 350 mil casos de covid num dia com mais 90 mortos

Portugal ultrapassa os 350 mil casos de covid num dia com mais 90 mortos

Portugal ultrapassou, esta segunda-feira, a barreira dos 350 mil casos de covid-19 notificados desde o início da pandemia, num dia com mais 90 mortos, quarto pior dia de sempre.

Com os 2194 casos reportados esta segunda-feira no boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal registou, até agora, 350938 infeções associadas à covid-19 desde o início da pandemia, a 2 de março.

O dia fica marcado, ainda, pelo registo de mais 90 óbitos, elevando o total de vítimas mortais da pandemia para 5649. É o quarto pior dia com mais mortos desde o início da pandemia, só superado pelo máximo de 98, reportado no domingo, os 95 de sexta-feira e os 91 de 16 de novembro.

Nos hospitais, a pressão não diminuiu, com a entrada de mais 97 doentes, para um total de 3254 pessoas internadas em enfermaria. Nos cuidados intensivos, os números são estacionários: os mesmos 513 de domingo.

Segundo o boletim da DGS, 2955 pessoas recuperaram da doença nas últimas 24 horas (são agora 274277 no total). Contas feitas, há 71012 casos ativos de covid-19 em Portugal, menos 851 relativamente aos dados anteriores, mas mais 2711 pessoas sob vigilância, para um total de 76723.

Uma vítima mortal com menos de 40 anos e três abaixo dos 50

PUB

Entre os 90 mortos, regista-se uma vítima mortal, mulher, na faixa etária abaixo dos 40 anos, um dia depois de ter falecido um jovem com menos de 20, e três óbitos (um homem e duas mulheres) no escalão 40-49 anos. Prova de que a covid-19 não mata só os mais velhos, há mais um óbito na faixa etária abaixo dos 60 anos (uma mulher) e seis no escalão 60-69 anos (quatro homens e duas mulheres).

É um facto, repetido dia após dia, os mais velhos são os mais penalizados pela doença causada pelo vírus da SARS-CoV-2. Das 90 vidas perdidas nas últimas 24 horas, 63 (24 homens e 34 mulheres) tinham mais de 80 anos. Números que representam 70% do total de óbitos diários, numa faixa etária que representa 67,5% do total de mortes desde o início da pandemia.

O escalão dos 70-79 anos perdeu mais 16 pessoas (onze homens e cinco mulheres) nas últimas 24 horas, números que equivalem a cerca de 18% do total diário, ligeiramente abaixo da percentagem de letalidade nesta faixa etária, que ronda os 20% desde o início da pandemia.

Mais vítimas mortais na Região de Lisboa e Vale do Tejo e novo máximo a centro

Um registo elevado, o terceiro pior deste mês, com vítimas mortais apenas no território continental. Interrompendo uma tendência vincada na segunda vaga, a Região de Lisboa e Vale do Tejo (RLVT) foi a mais penalizada pela mortalidade, anotando 32 mortos nas últimas 24 horas, para um acumulado de 1951 vítimas mortais desde o início da pandemia.

A Região Norte, a mais afetada pela pandemia, reportou 29 mortes associadas à covid-19, o número mais baixo em quase mês e meio, desde os 24 óbitos registados a 21 de novembro. No total, 2688 pessoas perderam a vida devido à doença causada pelo novo coronavírus na região mais setentrional de Portugal.

Entre o Norte e Lisboa e Vale do Tejo, a Região Centro registou um novo máximo diário de óbitos. Com 24 óbitos nas últimas 24 horas, superou os 21 de sábado, para um acumulado de 776 mortes associadas à covid-19 desde o início da pandemia.

O Alentejo, com mais três mortes, soma, agora, 148 vítimas mortais da pandemia, enquanto o Algarve lamenta a perda de mais duas vidas nas últimas 24 horas, para um total de 61 desde que o vírus começou a matar.

Nas ilhas, não há óbitos a registar.

Novo máximo de casos nos Açores e mínimo de dois meses no Norte

A Região Norte registou menos de mil casos de covid-19 pela primeira vez desde 19 de outubro, quando havia anotado 987 infeções, um número confirmado cinco dias depois do que, agora, parece ser o início da segunda vaga em Portugal, 14 de outubro, há precisamente dois meses, quando região mais setentrional do país registou mil casos diários. Com os 936 casos desta segunda-feira, o acumulado está agora nos 185535.

É segunda-feira, dia tradicionalmente com menos registos, mas, ainda assim, é de salientar, também, a quebra de novas infeções anotadas na Região Centro, que recuou para 255 novos casos, número equiparado aos de meados de outubro, há cerca de dois meses. No total, a covid-19 afetou 36871 pessoas na região.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo os números desta segunda-feira são mais a regra e menos a exceção: 777 novos casos após cinco dias acima ou a roçar as mil infeções diárias, elevando a contagem total para 113781.

O Alentejo, com 101 casos, manteve-se acima da barreira centenária, mas registou os números mais baixos em uma semana, elevando o total de infeções 66 acima das oito mil.

O Algarve manteve-se na casa das 60 infeções diárias, pelo quinto dia consecutivo, registando, curiosamente, 66 novos casos, igual soma à notificada no domingo. O total desde o início da pandemia vai, agora, em 6029.

Nas ilhas, destaque para o recorde de 62 casos notificados nos Açores. Um máximo desde o início da pandemia a que não serão alheiras as campanhas de rastreamento que decorreram no arquipélago açoriano durante a semana. O total vai em 1076 desde o primeiro notificado nas "ilhas de Bruma", a 16 de março.

Na madeira, há 24 novos casos, com o total nos 1076 desde o início da pandemia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG