Tutoria

Um passo em frente até à liberdade: Britney tem novo advogado e quer provar abuso do pai

Um passo em frente até à liberdade: Britney tem novo advogado e quer provar abuso do pai

Uma pequena vitória no meio de tantas derrotas recentes na vida de Britney Spears: a estrela pop, que vive há anos sob as vontades do pai, vai ter outro advogado. A braços com uma longa batalha judicial para colocar um ponto final na gestão alheia da sua vida, Britney quer provar abusos e libertar-se da tutela.

Os anos 90 davam lugar ao novo milénio e com ele chegava Britney Spears. Com uma imagem tanto doce quanto sedutora, nem menina nem mulher, como aliás cantou em 2001, a então "princesa da pop" - título honorífico que os consecutivos sucessos a fizeram merecer - instalou-se no panorama musical norte-americano, fez renascer a cultura pop adolescente e, quebrando sucessivos recordes internacionais de vendas, marcou uma era, tanto na música como na moda. A palavra "influencer" (influenciadora, em português) ainda estava longe de ganhar o espaço que acabaria por ganhar quase vinte anos depois, mas Britney já o era.

Desde então que carrega no nome uma carreira feita de enormes êxitos, aparentemente firmes apesar do muito que já se disse e escreveu sobre a sua saúde mental, o papel como mãe, o divórcio, a lista de namorados e praticamente tudo o resto. Mesmo depois do famoso colapso nervoso de 2007, reconhecido quando o público viu a cantora a rapar os longos cabelos louros, Britney continuou a lançar músicas e a fazer digressões que foram sucessos de bilheteira, além de ter entrado em séries e de se ter associado a coleções de perfumes e lingerie. Mas os comportamentos erráticos que adotou e a sequência de hospitalizações que sofreu, à boleia de uma superexposição mediática alimentada pela perseguição dos paparazzi, levaram a que, em 2008, Britney fosse colocada sob uma tutoria legal que deixou nas mãos do pai o controlo do património financeiro e da sua vida pessoal, e que ainda hoje vigora.

Tem novo advogado e quer provar abuso do pai

Aos 39 anos, Britney Spears não pode dispor livremente do seu dinheiro nem assinar qualquer documento sem autorização prévia. O regime legal em que está inserida aplica-se normalmente a pessoas que são incapazes de tomar decisões, como em caso de demência ou de outras doenças mentais, mas a cantora alega que está a ser "vítima" de um exercício "abusivo" do poder concedido pelo tribunal - não pode sequer casar ou engravidar (não tem autorização do tutor para retirar o DIU que usa).

Alegando ter sido enganada pela família e pelo advogado Samuel D. Ingham III, ao nunca ter sido informada da hipótese de pedir o fim da tutela, a cantora norte-americana pediu ao tribunal de Los Angeles, em junho, o direito a escolher o próprio representante. E, na quarta-feira, a segunda vez num mês em que foi ouvida em tribunal, a boa notícia chegou: a juíza Brenda Penny autorizou a demissão de Ingham, que representava Britney desde 2008, e a escolha do poderoso Mathew Rosengart como novo advogado, antigo procurador federal com longo currículo em representar estrelas de Hollywood.

PUB

Na ocasião, falando ao tribunal por telefone, o ícone pop repetiu o apelo dramático que já tinha feito da última vez, para que o pai, James Spears, fosse removido do acordo legal que lhe controla a carreira, a fortuna e a vida pessoal. "Estão a permitir que o meu pai arruíne a minha vida. Tenho que me livrar dele e, por isso, vou acusá-lo de abuso de tutela", disse a artista, pedindo uma investigação a James, por quem diz sentir-se "extremamente assustada".

O lançamento do documentário "Framing Britney Spears" em fevereiro, focado na trajetória da cantora norte-americana, da ascensão à queda, fez com que a vida de Britney voltasse à esfera pública e deu força ao movimento #FreeBritney, que pede o fim da tutela que "aprisiona" a também atriz e bailarina.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG