Imagens

Últimas

Paulo Baldaia

O PS não quer o PSD a aprovar o Orçamento

No momento em que se realiza o debate sobre o estado da nação, o primeiro com Rui Rio na liderança da Oposição, os críticos - será melhor dizer os anteriores detentores do poder interno - preocupam-se em desgastar o presidente do PSD e ignoram os problemas cada vez mais profundos que marcam a vida da "geringonça". O que os preocupa é mesmo a possibilidade de Rui Rio estar a conduzir o PSD para bom porto. Não retirar Rio da liderança antes das legislativas significa não estar no barco quando ele atracar. É por isso que no PSD há muita gente que não é capaz de ver o Mundo para lá dos corredores da Assembleia da República. É o seu lugar que está em perigo e, assim sendo, ainda vamos ter muitos episódios de guerrilha interna, na esperança de serem eles a fazer as listas.

Paulo Baldaia

Dar corda aos Vitorinos

Ao mesmo tempo que Portugal e a Europa se diziam orgulhosos pela eleição de António Vitorino como diretor-geral da Organização Internacional das Migrações, a Europa e Portugal mostravam que há ainda muito caminho a fazer para que esse orgulho seja genuíno. António Costa, perante uma União que se mostra totalmente dividida, diz que a última reunião do Conselho Europeu "foi das mais horríveis" em que esteve. O novo Governo de Itália não quer os migrantes que atravessam o Mediterrâneo, no centro da Europa há países que não aceitam ajudar um só refugiado que seja, na Alemanha a crise política espreita por causa dos que chegam de África. Em Portugal, para lá do Conselho da Europa nos ter apontado o dedo por sermos dos que mais discriminam a comunidade cigana, vivemos na semana passada a triste confirmação, com a agressão da rapariga colombiana no Porto, de que o racismo existe e se manifesta até de forma violenta.

Paulo Baldaia

Não ter o PSD na mão, nem mão no PSD

A guerrilha que é feita pelo grupo parlamentar do PSD ao seu presidente era expectável porque Rui Rio não era, não é, nem vai ser o líder da maioria daqueles deputados. A maioria daqueles deputados também vai deixar de ter lugar na Assembleia da República, depois das eleições do próximo ano, e é por isso que faz tantas tropelias. Por não ser líder de alguns maus deputados foi possível assistir à falta de vergonha desses eleitos que mudaram de posição numa matéria que apelava exclusivamente à consciência de cada um e para a qual a liderança do partido tinha dado liberdade de voto. Fizeram-no para derrotar Rio, derrubando as suas próprias convicções, mas concederam-lhe a vitória de demonstrar que a liberdade é sempre o bem maior, mesmo quando há gente que tudo faz para parecer que não a merece. Foi assim que a eutanásia não passou no Parlamento.

Paulo Baldaia

Boas notícias que anunciam tempestades

No final da semana, os juros pagos pelos países do euro que fossem ao mercado financiar-se com dívida tinham voltado a descer. O Banco Central Europeu decidiu prolongar a compra de dívida pública no mercado secundário e os países periféricos beneficiaram com esse anúncio. A manutenção das taxas de juro praticadas pelo BCE é também uma boa notícia, porque a taxa Euribor a três meses deve manter-se inalterada até junho de 2020, ou seja, a prestação a pagar pelo crédito pedido aos bancos para comprar uma casa vai continuar barata. Está tudo bem, podemos ficar descansados? Não! Vivemos a bonança que se seguiu à tempestade de 2011, mas a próxima tempestade já se anuncia, não com a força da última mas com capacidade para deixar muita gente de novo pelo caminho.

Paulo Baldaia

Não queiram levar o PCP pela trela

As relações entre os partidos que assinaram acordos no Parlamento para viabilizar o Governo do PS estão no período mais tenso da sua curta história. Não é por causa do Bloco de Esquerda, que tem decidido aprovar o Orçamento para 2019 por mais discordâncias que tenha ou venha a ter com o Partido Socialista. Nem pelo PEV que só existe nesta equação para, por exemplo, votar a favor da eutanásia, quando o PCP vota contra. O que faz perigar a "geringonça" é o facto de o Partido Comunista estar genuinamente incomodado com o andamento das coisas. António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa podem já ter decidido que haverá eleições antecipadas se não houver Orçamento do Estado aprovado, mas não podem responsabilizar antecipadamente o PCP pela eventualidade de os comunistas não concordarem com o documento que o Governo vai levar ao Parlamento. Nem Marcelo, quando era líder do PSD, passava cheques em branco ao PS de Guterres, porque haveria Jerónimo de Sousa de o fazer com António Costa?

Paulo Baldaia

Pelas suas princesas…

Quando acabar de ler este texto, basta esperar 50 minutos para que alguém tenha morrido em Portugal por causa do tabaco. São cerca de 30 pessoas todos os dias e muitas delas são jovens pais, homens e mulheres, que deixam os seus filhos órfãos de pai ou mãe prematuramente. Eu, fumador há mais de 40 anos, fiz várias tentativas para deixar de ser adicto. Estou de novo a tentar, desde as seis da tarde do dia 31 de maio, porque não posso fumar nem mais um cigarro desde o dia 1 de junho, Dia Mundial da Criança. É desde este dia porque, tendo falhado pela minha saúde e pelas finanças pessoais, não posso falhar pelas minhas princesas. Sim, sou pai de gémeas com oito anos e a campanha intitulada "Uma princesa não fuma" também me responsabiliza. Desde há muito que sinto remorsos por fumar.