O Jogo ao Vivo

Cronologia

Evolução da Covid-19 em Portugal. De dois casos a 209 mortos num mês

Evolução da Covid-19 em Portugal. De dois casos a 209 mortos num mês

Os dois primeiros casos de Covid-19 foram identificados em Portugal a 2 de março, há precisamente um mês.

2 de março - Anunciados os dois primeiros casos positivos de infeção pelo novo coronavírus em Portugal, dois doentes internados em hospitais do Porto "em situação estável". O país já estava em alerta, depois de ter sido noticiado, a 29 de fevereiro, que o chileno Luís Sepúlveda estava internado em Espanha com uma pneumonia causada pela Covid-19. O escritor mostrou sintomas dois dias depois de regressar a Gijon, onde está radicado, após seis dias em Portugal, onde contactou com centenas de pessoas durante o festival literário "Correntes D"Escritas", na Póvoa de Varzim, entre 18 e 23 de fevereiro. DGS diz que não há razão para alarmismos.

4 de março - Cerca de 50 alunos, professores e funcionários de duas instituições de ensino, estão em isolamento social profilático por terem contactado mais diretamente com a quinta pessoa infetada pelo novo coronavírus. Há 81 pessoas em vigilância e registo de 117 casos suspeitos, apenas dois dias depois de confirmados dos primeiros casos.

6 de março - Idosos e doentes, sobretudo os que apresentam comorbilidades (duas ou mais doenças), são identificados como a população mais em risco. Hospitais e lares começam a restringir as visitas aos seus utentes. Várias organizações participam numa reunião com a Direção-Geral da Saúde (DGS) e o Instituto da Segurança Social no Ministério da Solidariedade. Após o encontro, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, considerou que dado o estado da epidemia em Portugal não justificava a restrição de visitas a lares de idosos.

8 de março - O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, decide entrar em quarentena de 14 dias após receber em Belém uma turma de Felgueiras. Portugal tem 25 infetados. Governo suspende visitas a lares, prisões e hospitais.

Encerrada a Escola Secundária de Idães, em Felgueiras, uma das zonas mais afetadas pela epidemia, que "em poucos dias teve uma expansão grande e rápida", como salientou a diretora-geral da Saúde. Câmara adota medidas excecionais para o concelho.

9 de março - Duas escolas fechadas em Portimão e outras tantas na Amadora. A Escola Básica do 2.º e 3.º ciclo Professor José Buel, em Portimão, é a mais recente a ser fechada. É neste estabelecimento de ensino que dá aulas a mãe de uma adolescente de 16 anos que foi diagnosticada com Covid-19, no domingo, naquele que é o primeiro caso da doença, no Algarve. Assim que foi confirmado este caso, foi anunciado o fecho da escola secundária Manuel Teixeira Gomes, em Portimão, onde a aluna estuda. Durante o dia a situação evoluiu é anunciado o fecho de várias escolas, faculdades e institutos. Milhares de alunos ficam sem aulas.

11 de março - Organização Mundial de Saúde (OMS) decreta surto de Covid-19 como pandemia. "Temos mais de 118 mil infeções em 114 nações, sendo que 4 291 pessoas morreram", justificou Tedros Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.

12 de março - O Governo anuncia fecho de todas as escolas até final das férias da Páscoa.

Primeiro doente com Covid-19 tem alta. Uma das primeiras pessoas internadas no Centro Hospitalar Universitário de São João, no Porto, com a doença Covid-19 está curada, depois de dois testes negativos.

14 de março - Casimiro Sousa, de Lousada, fala ao Jornal de Notícias, após ter tido alta e conta como vive o dia a dia da recuperação após alta hospitalar.

15 de março - Costa diz que a pandemia vai continuar nos "próximos meses". Marcelo, em quarentena voluntária, afirma que surto é "enorme" e admite a aplicação do Estado de Emergência em Portugal.

16 de março de 2020 - Covid-19 faz a primeira vítima mortal em Portugal. Um homem de 80 anos, internado no hospital de Santa Maria em Lisboa. Mais tarde soube-se que era Mário Veríssimo, ex-treinador de futebol e amigo de Jorge Jesus, atualmente técnico do Flamengo, no Brasil.

17 de março - Calamidade dita cerca sanitária a Ovar, concelho com cerca de 55 mil pessoas. Barreiras policiais impedem entradas e saúdas até 2 de abril, depois de uma escalada descontrolada do número de infetados. O comércio está fechado, a indústria parada. Só os supermercados, farmácias, postos de combustível continuam abertos.

18 de março - Marcelo reúne o Conselho de Estado por videoconferência e decide decretar o estado de emergência. Parlamento aprova o decreto (PCP, PEV,_IL e Joacine Katar Moreira abstêm-se). À noite, presidente falou ao país e justificou o pedido.

19 de março - Governo pormenoriza algumas das medidas: estabelecimentos não essenciais fecham; idosos em casa, mais poder para autoridades.

20 de março - Decreto que instaura o Estado de Emergência publicado em Diário da República. É sexta-feira. Medidas entram em vigor a partir da meia-noite de domingo, dia 22.

22 de março - Com escolas e fronteiras fechadas desde dia 16, as medidas do Governo entram em vigor. As autoridades passam a poder controlar a circulação e acessos aos supermercados.

23 de março - GNR e PSP anunciam já terem detido 16 pessoas por desobediência das medidas impostas pelo estado de emergência decretado na sequência da pandemia da Covid-19.

25 de março - Novas medidas determinam que os agrupamentos de centros de saúde devem dispor de uma área dedicada à Covid-19 (ADC) para receber doentes. A medida coincide com a entrada do país em "fase de mitigação" da pandemia. Face à incapacidade de conter o aumento de infeções, a assistência deixa de estar concentrada nos hospitais e alarga-se aos cuidados de saúde primários.

Os recentes relatos de infeções e mortes em lares de terceira idade mostram que esta é uma das situações mais difíceis de gerir pelas autoridades de saúde

O primeiro-ministro, António Costa, sai em defesa da Direção-Geral da Saúde (DGS) por causa das críticas dos autarcas que indicam números de casos nos seus concelhos superiores aos oficiais.

26 de março - Governo anuncia um pacote de medidas para atenuar os impactos da pandemia nas famílias e empresas.

27 de março - A corrida mundial aos ventiladores hospitalares está a provocar uma enorme dilatação nos prazos de entrega destes equipamentos, que se agudizou nos últimos dias com a procura que os Estados Unidos impuseram ao mercado devido ao alastramento da Covid-19, que já matou 76 portugueses.

28 de março - Portugal chega aos 100 mortos. O número de infetados (casos confirmados), aumentou 21,1% para 5.170. Um em cada três está na Área Metropolitana do Porto.

Polícia corta autoestradas para travar portugueses nas entradas e saídas das principais cidades. E GNR usa drones com visão térmica no cerco a Ovar.

29 de março - Ministra apela ao voluntariado para salvar lares à míngua de cuidadores. Número de mortos e infetados não pára de aumentar. Há instituições com quase todo o pessoal em quarentena.

30 de março - Rui Moreira declara guerra à Direção-Geral da Saúde (DGS), após Graça Freitas anunciar que o Porto poderá vir a ser submetido a uma cerca sanitária contra a Covid-19, que já matou 140 pessoas no país. Coro de críticas leva Marcelo a apelar à "unidade" e mais tarde a DGS admite dupla contagem de casos no Porto.

António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa mostram estar em sintonia quanto ao facto de a ameaça causada pela Co-vid-19 se ir intensificar. Costa admite a necessidade de "prolongar" as medidas restritivas; já Marcelo remete a eventual renovação do estado de emergência para depois da reunião de com especialistas do Infarmed que junta o primeiro-ministro, o presidente da Assembleia da República e os líderes partidários e parlamentares.

31 de março - Marcelo reúne em Belém o núcleo duro para moldar o novo decreto que irá vigorar até 17 de abril (o atual cessa dia 1). Pelas 15 horas, Costa reúne o Conselho de Ministros para apreciar a intenção do presidente. E amanhã de manhã o Parlamento aprecia e vota o texto. Sem qualquer oposição anunciada pelos partidos, entrará em vigor às zero horas do dia 3. Antes, Marcelo falará ao país.

1 de abril - O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, propôs esta quarta-feira ao parlamento a renovação do estado de emergência em Portugal por novo período de 15 dias. Governo disse que estava de acordo.

2 de abril - Um mês depois de serem confirmados os primeiros casos positivos e apenas 15 dias após a confirmação da primeira morte, há 209 vítimas mortais de Covid-19 em Portugal. O número de casos positivos em Portugal subiu de 8251 para 9034 esta quinta-feira, um aumento de 9,4% (mais 783 novos infetados). As vítimas mortais são mais 22.

Parlamento aprova prolongamento do estado de emergência, por mais 15 dias, ate 17 de abril.