Imagens

Últimas

helena teixeira da silva

7 lugares do medo e 6 razões para ir a Amarante

O verão é dedicado ao romance - ao real e ao literário. A maioria vive o amor como um intervalo da vida, férias do que nos consome, espécie de bálsamo para o outono-inverno que há-de seguir-se. E depois, tudo outra vez. Está mal. O romance, o real e o literário, não devia ser encaixado na pequena gaveta de verão, como se sujeito a um interruptor que se liga e desliga de acordo com o tempo, o que nos sobra e o da meteorologia. O romance não é para dias quentes nem para dias livres, o romance é para todos os dias. Coisa diferente é a poesia. Mesmo se normalmente vem embrulhada em livros mais pequenos, exige muito mais espaço mental do que qualquer narrativa de quinhentas ou mais páginas. O verão, nessas horas largas que se estendem pelos dias, é o momento certo para ler poesia.

eduardo pinto

O fogo no "Pinheiro" do avô António

Foi nos primeiros anos da década de 1980. Não sei ao certo qual. Mas era um dia de verão, de canícula. Pela hora da sesta, no alto da serra da minha aldeia levantou-se uma coluna de fumo negro e espesso. O céu não tardou a deixar de ser azul. O meu avô António tinha para lá, no "Pinheiro", umas terras que davam batatas e cereal, e ainda um pinhal. Avisado pela avó Prudência não perdeu tempo a sair da cama e a vestir-se. Foi à loja, agarrou uma enxada daquelas avantajadas, as de arrancar batatas, e pôs-se a caminho. Eu quis ir. "Ó rapaz, olha que aquilo é feio, não vais nada!", avisou. Mas eu, miúdo pouco entrado ainda na segunda década de vida, insisti. Custou, mas anuiu. Levei outra enxada.

ivete carneiro

Alert(a)

Poderíamos - apesar do verão, os dias têm sido férteis em noticiário internacional - abordar aqui a chegada da primeira mulher à presidência da Comissão Europeia, mãe de sete filhos, dona de uma imagem denegrida por ter ousado liderar uma pasta de homens, a da Defesa alemã. Chegou com a promessa de estender a presença feminina nas instituições europeias. E foi substituída por outra mulher no lugar que deixa vago. São boas notícias, independentemente da política.

salomé filipe

Anda comigo ver os aviões de Vila Real...a Viseu

A pista abateu, a segurança ficou comprometida e, por isso, o Aeródromo de Vila Real encontra-se encerrado, por tempo indeterminado. Enquanto o verão está tímido, pede-se ao S.Pedro que, naquele distrito, o mantenha assim, envergonhado, a espreitar por debaixo da saia da mãe. Não vá dar-se o fenómeno (pouco natural, por cá) dos incêndios e os meios aéreos de combate estarem em Viseu, distrito para o qual foram reposicionados, até serem estudadas outras alternativas.